Com morte de Lázaro, população de Águas Lindas retoma rotina: “Acabou”

Moradores da região estão aliviados com o desfecho das buscas ao assassino em série, morto pela polícia na segunda-feira (28/6)

Mais de 24h após a operação que levou à morte do criminoso Lázaro Barbosa de Souza, 32 anos, em uma área de mata de Águas Lindas de Goiás (GO), a população está aliviada com o desfecho do caso e, aos poucos, volta à rotina normal.

Muitos voltaram às suas chácaras, retomaram o plantio e a colheita e reabriram comércios. Foram três semanas de preocupação e medo pelo rastro de violência deixado pelo assassino em série nas cidades do Entorno do Distrito Federal.

Lázaro Barbosa vinha sido procurado há 20 dias por uma força policial com cerca de 270 agentes, após cometer crimes no DF e Goiás. Em confronto com forças policiais, ele acabou morto na manhã dessa segunda-feira (28/6).

O aposentado Sebastião Barbosa Lima, 74 anos, e a esposa, Maria Aparecida Peixoto Barbosa, 61, têm uma chácara no Itamaracá. O bairro fica em Águas Lindas. Foi o último local por onde Lázaro passou antes de morrer. Lá, moram a ex-sogra, a ex-mulher e o filho mais velho dele.

Veja imagens da localidade nesta terça-feira (29/6):

1/10
O aposentado Sebastião Barbosa Lima e a esposa, Maria Aparecida voltaram nesta terça-feira (29/6) à chácara da família
Sebastião voltou a fazer o que gosta: "Capinar com tranquilidade"
Comércio frequentado por Lázaro, há cinco anos
Uma família ainda mantém a corrente na chácara onde mora: rotina de medo
Hugo Barreto/Metrópoles Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente. Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles […]
Hugo Barreto/Metrópoles Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente. Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles […]
Mata por onde o Lázaro fugiu da polícia

“Nós estávamos evitando vir. Ficamos muito preocupados no domingo (27/6), depois do culto, quando saímos daqui, e a polícia já estava realizando buscas. Fomos para casa, e só voltamos nesta manhã (29/6). A minha filha, que mora aqui, falou que não dava para dormir com a movimentação de helicópteros, drones e viaturas. Ele assustou todo mundo. Muito perigoso”, contou Maria.

Na manhã desta terça, Sebastião disse que voltou a fazer o que gosta: “Capinar com tranquilidade. Sem pavor e medo de ele aparecer. Graças a Deus, essa caçada acabou”, acrescentou.

O proprietário de um mercadinho na região comentou que Lázaro morou em Águas Lindas e frequentava o comércio dele. Ainda com as grades do estabelecimento fechadas, ele conversou com a reportagem e relatou que o dia amanheceu sossegado nesta terça, após a captura de Lázaro.

“Isso foi há cinco anos, mais ou menos. Ele era tranquilo. Espalhou muito medo. Enfim, hoje, nós estamos mais tranquilos. A população acordou aliviada. Não esperávamos que ele chegasse até a região. Mas ele foi rápido. A polícia agiu e conseguiu o que prometia”, disse o comerciante, sem se identificar.

Moradora da região rural de Águas Lindas, Alzenira Pereira da Silva, 38, e o marido trabalham como caseiros no Setor Pônei.

“No domingo à noite, policiais ocuparam toda a área. Mais de cinco viaturas ficaram estacionadas em frente à nossa propriedade. Familiares ainda falaram para a gente sair, mas ficamos aqui, com a corrente fechada”, disse Alzenira.

Ela conta que a família estava trancada em casa, todos esses dias, amedrontados com a possibilidade de Lázaro aparecer na região. “A certeza é de que ele caminhou pelas redondezas. Ele foi baleado a uns 7km daqui”, comentou.

“Vamos reerguer a vida. Foram semanas difíceis, mas acabou. Graças a Deus, pegaram ele. Não precisamos mais ficar trancados”, concluiu.