Aeroporto de Brasília manterá em casa funcionários do setor administrativo que optarem pelo home office

A Inframerica realizou pesquisa com empregados e 74% disseram preferir o trabalho flexível devido à pandemia de Covid-19

atualizado 28/01/2021 22:38

Aeroporto de BrasíliaRafaela Felicciano/Metrópoles

A pandemia do novo coronavírus mudou as relações de trabalho em todo o mundo. Mesmo com o retorno dos voos e da movimentação de usuários, o Aeroporto Internacional de Brasília decidiu também flexibilizar as regras, mantendo o teletrabalho para se adequar à nova realidade.

A Inframerica, administradora do terminal, realizou pesquisa e verificou que 74% de seus colaboradores do setor administrativo preferiam se manter no modelo híbrido de produção. Os profissionais disseram se sentir mais confortáveis e produtivos realizando o serviço em casa.

Ao manter o trabalho remoto para os funcionários que desejarem, a concessionária quer evitar que os profissionais dos departamentos de Suporte de Gestão se aglomerem nos escritórios do terminal aéreo. Há noves meses, a Covid-19 colocou 90% dos trabalhadores das áreas administrativas do aeroporto brasiliense em trabalho remoto ou flexível. Em 2021, a concessionária deve seguir com a prática.

Entre as considerações elencadas pelos colaboradores em defesa do home office, estão a economia de tempo em transporte e a qualidade de vida decorrente da proximidade da família. Funcionários considerados do grupo de risco, com restrições médicas, gestantes e pessoas acima de 60 anos foram automaticamente para o sistema de trabalho remoto, independentemente do setor no qual atuam.

Serviço essencial

As funções operacionais, como técnicos de manutenção, fiscal de pátio, bombeiros, atendimento ao cliente, técnicos de informática e as equipes de logística de cargas por exemplo, seguem presenciais.

Esses funcionários representam cerca de 70% da mão de obra do aeroporto e prestam serviços classificados como essenciais, necessários in loco para que pousos e decolagens aconteçam todos os dias e com segurança.

Para atender melhor os funcionários que trabalham de forma presencial e aqueles que aderiram à modalidade flexível, ou seja, que vão ao aeroporto duas ou três vezes na semana, a concessionária promoveu reformas em todas as áreas administrativas, levando em consideração as novas medidas sanitárias.

Entre as mudanças estão a instalação de barreiras de acrílico entre as mesas, abertura de janelas, pontos de álcool em gel em todos os espaços e a alteração das áreas comuns para ambientes mais abertos. Além disso, os funcionários que trabalham presencialmente passam por verificação de temperatura ao longo da sua jornada de trabalho e são acompanhados semanalmente por uma médica do trabalho.

Todos os colaboradores também receberam máscara e álcool em gel. Aqueles que atendem diretamente o público, ganharam um protetor de acrílico, conhecido como face shield.

0

“Segurança é valor primordial para a Inframerica, e isso não seria diferente com a saúde dos nossos funcionários. A mesma preocupação que temos com nossos passageiros em dar conforto, adicionar tecnologia e criar um ambiente para que ele possa voar tranquilo, é a que temos com o nosso maior patrimônio: nossos funcionários”, explica Diego Teixeira, gerente de Recursos Humanos da Inframerica.

O executivo conta que os investimentos realizados nos ambientes estão prontos para aqueles que preferem e precisam trabalhar no terminal. “Em 2021, vamos continuar com esse formato híbrido no aeroporto. Esse novo modelo de negócio foi desafiador, estávamos acostumados com uma forma de trabalho que hoje não condiz mais com a realidade e precisamos nos adequar para o novo panorama”, disse.

“Claro que essa não é a realidade de toda a nossa empresa. Nós prestamos um serviço essencial para a população e que precisa de interação, atendimento presencial no aeroporto. Mas, para algumas áreas, mesmo com a vacinação, esse novo padrão [home office] pode ser adotado de forma definitiva”, concluiu.

Últimas notícias