Prática de Pilates pode ser alternativa de tratamento para indivíduos com Parkinson

O método Pilates, por meio de técnicas e exercícios, ajuda a integrar corpo e mente, sendo auxiliar no tratamento do mal de Parkinson por representar diversos benefícios à mobilidade e coordenação motora

atualizado 18/05/2021 12:00

O mal de Parkinson é uma doença neurológica degenerativa que tende a aparecer em idosos com mais de 65 anos e evolui de forma progressiva ao longo do tempo, afetando o sistema central e trazendo uma série de sintomas que preocupam médicos, pacientes e familiares.

Parkinson no Brasil e no mundo

Estima-se que 1% da população mundial tenha Parkinson. No Brasil, a média é de 200 mil pessoas com a doença. O tema tem ganhado cada vez mais espaço nas discussões entre especialistas já que o envelhecimento da população é uma realidade, tendo aumentado mais de 15% o número de idosos nos últimos seis anos. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os principais sintomas do Parkinson envolvem rigidez nos músculos, tremores, perda de mobilidade, lentidão e alterações na escrita e na fala. Outros sinais que podem aparecer são: depressão, insônia, cansaço, perda de memória, tontura, dores, etc.

Pilates como alternativa de melhora para a saúde

O método Pilates tem sido citado entre os especialistas em Parkinson por reunir uma série de exercícios, feitos em equipamentos específicos, que visam fortalecer o organismo humano e promover a integração entre corpo e mente. Hoje, o Pilates é considerado uma atividade física completa e traz diversos benefícios.

Os benefícios do Pilates envolvem aumento do tônus muscular, uma vez que auxilia o corpo a substituir massa gorda por massa muscular, melhora da postura, já que a ação na musculatura faz com que as curvas naturais da coluna sejam fortalecidas e sustentadas, além de otimização da mobilidade articular, por meio de exercícios que trabalham o corpo como um todo, inclusive as articulações.

Outros benefícios observados com a prática contínua de Pilates são: alívio das tensões, por trabalhar a respiração e a concentração, e o aumento da flexibilidade, baseado no fato de que os exercícios aumentam a resistência e promovem o alongamento dos músculos.

O Pilates como tratamento de Parkinson

A progressão da doença traz consequências neurológicas, orgânicas e psíquicas que podem afetar muito a mobilidade e o desempenho funcional do paciente. Consequentemente, o indivíduo sofre baixas nas relações pessoais e familiares, afetando profundamente a qualidade de vida. O método Pilates, por sua vez, visa diminuir tais limitações e incapacidades e, até mesmo, retardá-las (inclusive em pessoas que tenham histórico familiar de Parkinson e queiram começar a prevenção).

O Pilates tem como base seis princípios fundamentais: concentração, respiração, precisão, controle, centro de força e fluidez nos movimentos. Com Pilates, o treino de fortalecimento e o respiratório ajudam a diminuir a rigidez e as alterações posturais do paciente, ganhando mais expansibilidade torácica e uma respiração profunda e completa.

Pilates na Vila Olímpia promove fortalecimento auxiliar no tratamento de Parkinson

A prática de Pilates na Vila Olímpia, orientada por profissionais de fisioterapia, pode auxiliar no tratamento para o mal de Parkinson por ajudar a restabelecer o fortalecimento muscular, corrigir a postura, melhorar a respiração e aumentar a conexão entre corpo e mente.

Para tirar os melhores benefícios do método, é preciso ter acompanhamento de especialistas no assunto, como é o caso da equipe da SM Care, clínica de fisioterapia na Vila Olímpia estruturada com equipamentos de Pilates para receber seus pacientes com todo o conforto.

Website: https://smcare.com.br

Mais lidas
Últimas notícias