Nova forma de mobilidade é proposta por empresa alemã

A indústria automotiva alemã até agora desempenhou um papel de liderança em mobilidade e inovação, sendo a primeira em construção, inovação e alta tecnologia em motores diesel. No entanto, este tipo de motor caminha para a extinção e surgem novas propostas de mobilidade

atualizado 18/12/2020 18:00

Num momento em que o mercado automotivo global já deu um passo em frente e tudo indica que a mobilidade caminha inexoravelmente para a extinção do motor de combustão interna, os avanços na eletromobilidade alemã ainda são escassos.

Atualmente, na Noruega (para citar um exemplo notável e segundo a Opplysningsrådet for veitrafikken – OFV), 65% da sua frota automotiva são carros elétricos ou híbridos, enquanto na Alemanha não chega a 7%. Os noruegueses viram a mudança como uma oportunidade e estão determinados a liderar com suas novas tecnologias e infraestrutura de estações de recarga. Um carro novo é barato na Noruega porque está isento de impostos; é confortável porque pode ser dirigido nas faixas dos ônibus públicos; é prático porque em muitos estacionamentos subterrâneos existem várias estações de recarga. Também o gigantesco mercado automotivo chinês quer que 25% de seus carros registrados sejam elétricos em um futuro próximo, uma grande onda de mudanças está sendo gerada no setor.

Portanto, surge uma pergunta para a crescente e bem-sucedida indústria automotiva alemã: por que a Alemanha não está fazendo muito para se manter competitiva? O ex-diretor da Opel, Karl Tomás Neumann, ressalta que, se alguém tem sucesso, é muito difícil abandonar esse sucesso para construir algo novo. A política, que por muito tempo impediu possíveis mudanças, e que agora não apresenta diretrizes ou novas ideias, também tem parte da responsabilidade aqui. Uwe Cantner, diretor do comitê alemão de especialistas em pesquisa e inovação, adverte “Manter empregos a todo custo em setores onde se percebe que o mercado mundial já fez uma mudança, é o maior erro que se pode cometer”. Vários caminhos já foram traçados no mercado global há muito tempo.

Em algum momento houve um escândalo com os motores a diesel e teria sido uma boa ocasião para mudar de rumo e dar uma guinada política no uso dos combustíveis fósseis. Ficar igual não pode ser a resposta para um mundo que está mudando radicalmente. Nas palavras de Steffen Bilger, secretário de estado do ministério dos transportes da CDU: “A indústria automotiva tem marcado o nosso país e deve-se sempre ter em conta que uma mudança deste tipo tem impacto no emprego, por isso não consideramos mudança como revolução, mas como uma evolução e acho que podemos alcançá-la”, a respeito do papel que a política joga e a pressão que deve fazer em relação à inovação em mobilidade futura. E continua: “o governo apoia metas climáticas ambiciosas a nível europeu, sempre fomos a favor de garantir que haja metas ambiciosas e que nossa indústria automotiva possa transformar em realidade.”

Segundo o professor Andreas Knie (especialista em mobilidade), “a política alemã tinha um plano para que todos os cidadãos alemães tivessem um carro de tecnologia alemã com motores a gasolina e diesel, isso é o que ela tem promovido, mas se continuamos com essa política, ficaremos para trás, pois muitas cidades alemãs decidiram desligar os motores de combustão interna no longo prazo e apostar nos carros elétricos com baterias, ou seja, se não avançarmos, perderemos esses mercados de exportação que são importantes para nós e teremos tecnologia veicular que ninguém mais quer”, disse o especialista.

Novas formas de mobilidade estão aparecendo, sendo a apresentada pela Neutrino Energy Group, com sede na Alemanha, uma das mais recentes.

Nas suas instalações, avanços científicos relevantes estão sendo feitos em relação à mobilidade com carros movidos a neutrino. O Pi, por exemplo, é uma novidade que está criando inovação em mobilidade. Este carro revolucionário é feito com camadas de grafeno dopado que interagem com os neutrinos, que criam vibrações atômicas que são amplificadas por um ressonador e toda essa energia é convertida em corrente contínua. Em suma, uma mistura de influências causadas por diferenças térmicas, ondas eletromagnéticas e a contribuição de neutrinos que permite, assim, que toda a energia necessária seja coletada diretamente do meio ambiente.

É fato que todo o corpo do PI será totalmente feito com placas de grafeno dopado para que quase todos os componentes que compõem o carro sejam aqueles que produzem energia suficiente para movimentar o carro na cidade ou na rodovia. O carro Pi está a caminho de conviver com as alternativas de carros híbridos e elétricos e poderá, mesmo, competir em desempenho com os carros de qualquer sistema de propulsão. Dentro do Neutrino Energy Group, esta mudança está sendo realizada com avanços científicos e tecnológicos de acordo com uma nova era na tecnologia de mobilidade. Inclusive, há outras aplicações que podem ter um gerador de neutrino, como um aparelho de TV ou um celular de última geração. Tudo pode funcionar por meio da tecnologia de neutrino e o Neutrino Energy Group está caminhando nessa direção.

Website: https://thepi.energy

Últimas notícias