Conteúdo especial

Biotic: Programa Centelha transforma ideias em negócios

A primeira edição acaba de chegar à capital federal e selecionará 28 startups, com previsão de investimentos de R$ 1,6 milhão

atualizado 26/10/2021 15:47

“Todas as grandes empresas surgem de ideias”, a afirmação é do presidente da Biotic S/A, Gustavo Dias Henrique. E boas ideias, com potencial de se tornarem um negócio de sucesso, poderão ser selecionadas por meio do Programa Centelha. A primeira edição acaba de chegar à capital federal e será executada pelo Parque Tecnológico de Brasília (Biotic). A iniciativa tem por objetivo estimular a criação de empreendimentos inovadores e disseminar a cultura empreendedora no Distrito Federal. O programa oferecerá capacitações, recursos financeiros e suporte aos participantes. A edição distrital selecionará 28 startups, com previsão de investimentos de R$ 1,6 milhão.

As regras para participação e inscrição podem ser conferidas no site https://programacentelha.com.br/df.

O programa é promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e a Fundação CERTI.

O Programa Centelha tem por objetivo estimular a criação de empreendimentos inovadores e disseminar a cultura empreendedora no DF

Gustavo Dias Henrique reitera que muitas ideias inovadoras não encontram apoio do setor privado e do governo para saírem do papel. “O programa Centelha é um instrumento justamente para isso, apoiando empreendedores que se encontram ainda em fase inicial, na busca de aprimoramento, mentoria e apoio financeiro. Nosso desejo, enquanto Biotic, é que dessas ideias selecionadas pelo programa surjam os futuros unicórnios, empresas que irão revolucionar a maneira de pensar e de agir na sociedade, e disseminar cada vez mais a cultura empreendedora em Brasília”, finaliza.

De um problema do cotidiano, o administrador Edson Neves teve um insight e, atualmente, batalha para tirar a startup do papel. Há três anos, ele aguardava por visitas em casa. Na cozinha, a panela de pressão no fogo estava. Como narra a Lei de Murphy, no dia em que menos poderia ocorrer um acidente, a panela estourou. “Minha casa ficou inviável para receber quem quer que seja. Eu precisava de alguém para me ajudar a arrumar aquela sujeira imediatamente, mas que fosse um trabalho de apenas uma hora”, conta.

Do sufoco, nasceu o “Chame a Lú”. Uma startup na área de inovação na prestação de serviços que tem a proposta de oferecer diaristas para serviços expressos, sendo eles com execução mais ágil e com qualidade. “Intuitivo, rápido e prático como o Uber, com a segurança que o Chame a Lú oferece”. O serviço é cobrado por hora e as diaristas são capacitadas, no que o empreendedor chama de “Universidade da Lú”.

A ideia será submetida à avaliação do Programa Centelha. Se selecionado, o projeto será contemplado com subvenção econômica de até R$ 60 mil, além dos demais benefícios.

O Programa Centelha já está presente em 20 unidades da federação e, até setembro deste ano, recebeu a inscrição de 15.471 ideias inovadoras

Uma realidade a ser mudada

“O Brasil é o 14º produtor de conhecimento científico no mundo”. O dado foi apresentado pelo ministro substituto da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcelo Morales, durante o lançamento do Programa Centelha, promovido no edifício de governança do Biotic, no último dia 20. Para o ministro, “esse conhecimento tem que ser transformado em inovação para gerar riquezas para o Brasil e benefícios para a população”.

Marcelo Morales mostrou outros números. O Centelha já está presente em 20 unidades da federação. Até setembro deste ano, recebeu a inscrição de 15.471 ideias inovadoras. Participaram do Programa 38.770 empreendedores e suas equipes. Além disso, foram criadas 482 startups em todo o país e, destes, 406 projetos contratados.

E quais ideias foram submetidas? As mais diversas. Em Minas Gerais, Rubens Neto desenvolveu uma plataforma para o diagnóstico de doenças, incluindo a Covid-19. Já No Rio Grande do Sul, Victor Brian Magalhães criou um biofertilizante para agricultura orgânica e padrões de biomoléculas para estações de tratamento de água do país. Ainda por lá, Felipe Quirino inventou uma luva inteligente capaz de reconhecer gestos e, assim, auxiliar nos diagnósticos de problemas cognitivos e musculares.

Segundo Marco Antônio Costa Júnior, diretor-presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), apoiar iniciativas como essas, que surgirão com as inscrições, é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente.  “Acreditamos que o empreendedorismo é pilar essencial para esse processo de transformação, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos. O GDF também acredita que a atuação integrada entre governo, setor produtivo, academia e sociedade é indispensável para que a capital federal se torne um polo produtor de inovação”, diz.

A primeira edição da iniciativa será executada pelo Parque Tecnológico de Brasília (Biotic)

Sobre o Programa Centelha

O Centelha é um programa nacional de incentivo ao empreendedorismo, executado de forma descentralizada. No DF, selecionará 28 startups. Por meio de benefícios, como subvenção econômica, capacitações e networking com parceiros, o programa busca incentivar a geração de ideias inovadoras em estágios iniciais, de ideação e prototipação.

Funciona assim: durante a etapa de seleção, os empreendedores participantes passarão por três fases. A primeira etapa compreende à submissão de Ideias Inovadoras. Em seguida, eles passam pela construção de um Projeto de Empreendimento. Por fim, devem elaborar um Projeto de Fomento.

Ao longo das etapas, os empreendedores receberão capacitações para aprimorar os projetos inovadores, além de suporte e feedback dos avaliadores.

A previsão é de que sejam investidos recursos na ordem de R$ 1.665.000,00, sendo R$ 1.110.000,00 oriundos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT/Finep) e R$ 555.000,00 provenientes da Contrapartida da FAP-DF, executadas pela Biotic S/A.

Quem pode participar?

Pessoas físicas que atendam exigências do Edital ou empresas com faturamento bruto de até R$ 4.800.000,00, criadas e formalizadas a partir do Programa ou com até 12 meses da criação da empresa a partir do lançamento do Edital.