Marcas, ideias e pessoas que impactam no mundo da comunicação

Grupo FSB cria projeto de transformação digital para fomentar inovação

Criado em parceria com a TDS Company, a FSB Futuro tem o objetivo de promover a cultura de geração de ideias e identificar oportunidades

atualizado 27/04/2021 15:57

Transformacao-digitalGetty Images

O Grupo FSB, considerado o maior do Brasil na área de comunicação corporativa, se uniu a TDS Company, especializada em desenvolvimento digital estratégico, para criar o FSB Futuro. O projeto tem o objetivo de fomentar a cultura de inovação nos processos internos das diversas empresas do grupo e identificar e incubar iniciativas inovadoras com o uso intensivo de tecnologia.

“O FSB Futuro é o novo modelo de cultura de trabalho que estamos desenvolvendo em nosso grupo, do qual fazem parte a FSB Comunicação, com mais de 40 anos de mercado, e a Loures Consultoria”, explica Diego Ruiz, sócio-diretor das agências.

Com uma gama de serviços, como comunicação corporativa, marketing digital e publicidade, o Grupo FSB conta agora com novas tecnologias capazes de capturar oportunidades de visibilidade e engajamento para marcas, analisar diferentes comportamentos de usuários (por nichos), identificar o surgimento de novas redes sociais e ferramentas, além de formatar parcerias com influenciadores em perspectivas ainda não exploradas.

Para Silvio Meira, cientista-chefe da consultoria TDS Company e membro dos conselhos de administração de grupos como Magalu e MRV, atualmente é muito mais difícil para as marcas competirem, uma vez que já não basta mais oferecer ponto de venda, ações de marketing e simples promessas de produtos e serviços. “É necessário ter soluções digitais articuladas, estratégias de adaptação a mudanças e um atendimento cada vez mais eficiente para os clientes”, analisa o especialista.

Segundo ele, o Brasil avançou cinco anos na transformação digital durante a pandemia, mas não porque foram lançadas novas tecnologias, mas porque as empresas tiveram que correr atrás do que já existia e fazer uso aprofundado dessas soluções. “(como marca) Eu quero estar com uma agência que domina e usa, na prática, processos continuados de transformação digital e que me ofereça coisas físicas e digitais – e a combinação das duas – que eu não havia pensado, porque ela está prospectando o mundo como pesquisadora e realizadora”, conclui Meira.

Últimas notícias