metropoles.com

Personal faz vídeo com pistola após juiz suspender lei pró-categoria

Autor da gravação foi identificado como Lázaro Barrozo, presidente do sindicato da categoria no Distrito Federal. Polícia apura o caso

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução / WhatsApp
Homem segura arma
1 de 1 Homem segura arma - Foto: Reprodução / WhatsApp

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um personal trainer portando uma arma de fogo justamente um dia após a Justiça suspender uma lei que beneficiava a atuação da categoria nas academias da capital federal, como a suspensão da taxa para uso dos espaços de musculação.

O protagonista da gravação é Lázaro de Sousa Barrozo, presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação Física do Distrito Federal (Sinpef-DF). Nas imagens, ele empunha um modelo de pistola.

O material foi inicialmente compartilhado pelo próprio sindicalista em grupo de WhatsApp integrado pelos profissionais da área, mas logo viralizou.

“Pessoal, boa tarde. Eu estou indo ali pagar a anuidade. Alguém está precisando de alguma coisa?”, provoca.

Na sequência, outro participante do canal de mensagens responde: “Precisando que eles respeita [sic] a lei”, escreve.

A anuidade referida pelo sindicalista é a taxa cobrada pelos donos dos estabelecimentos para o uso dos espaços de musculação e demais atividades.

O Metrópoles tentou, durante a tarde desta quarta-feira (26/1), contato com Lázaro Barroso, mas não houve retorno. O espaço será atualizado se houver manifestação oficial do sindicalista.

TJDFT suspende lei sobre atuação de personal trainers em academias

Veja o vídeo:

Ocorrência

Após o compartilhamento em massa do vídeo, o caso será apurado pela 5ª Delegacia de Polícia (área central de Brasília) pelo fato de o sindicato presidido por Barrozo estar localizado na área de responsabilidade da unidade policial. A natureza da investigação, a princípio, será de ameaça.

Após tomar conhecimento da gravação, a presidente e fundadora do Sindicato das Academias do DF, Thais Yeleni Ferreira, classificou como “lamentável” o conteúdo. Ela é autora da ação que derrubou temporariamente os benefícios da lei para os personal trainers.

“É simplesmente lamentável e muito tenebroso ter o presidente do Sindicato dos Profissionais de Educação Física com uma atitude como essa. É lamentável. Uma profissão que cuida da saúde, que cuida do bem-estar, que fala da vida e que fala do movimento, ter uma liderança com comportamento destes. Lamentável”, disse.

Assista:

Suspensão da lei

Na última segunda-feira (24/1), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) suspendeu a lei distrital que, entre outros temas, dava liberdade ao consumidor de escolher um personal trainer para atuar nas academias da capital federal onde estivesse matriculado.

A decisão foi da 3ª Vara da Fazenda Pública de Brasília e atende um pedido feito pelo Sindicato das Academias do Distrito Federal (Sindac-DF). O texto também reacende a polêmica sobre a cobrança de taxas desses espaços para os profissionais de saúde.

Na ação, a entidade pediu que fosse concedida a liminar a fim de que as academias filiadas ficassem desobrigadas de cumprir os artigos da referida lei, de forma que os estabelecimentos tenham autonomia para contratar personais.

De acordo com a liminar concedida, a suspensão ocorre até que seja analisado o mérito da ação. O pedido será apreciado após manifestação do Distrito Federal no prazo de 72 horas.

A sanção foi assinada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) no início de janeiro e repercutiu entre os representantes do setor. A lei dispõe sobre a relação de consumo e a prestação dos serviços de prevenção de doenças, promoção do bem-estar e proteção e recuperação da saúde e da qualidade de vida no Distrito Federal.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações