Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Perfil de universidade canadense bomba após nota contra virologista

British Columbia Institute of Technology (BCIT) afirmou que solicitação de Paulo Zanotto, do "gabinete paralelo", ainda está "pendente"

atualizado 10/06/2021 18:41

Paolo ZanottoReprodução

O perfil no Twitter da universidade canadense British Columbia Institute of Technology (BCIT) ganhou notoriedade após a instituição afirmar que o pedido do virologista Paulo Paolo Marinho de Andrade Zanotto de morar dois anos no país para ser professor visitante na instituição está “pendente”. O caso foi revelado pelo Metrópoles.

O integrante do suposto “gabinete paralelo” do presidente Jair Bolsonaro solicitou e foi autorizado pela Universidade de São Paulo (USP) a passar dois anos no Canadá sob justificativa de atuar na instituição de ensino superior.

Desde que se posicionou oficialmente na rede social sobre o caso, a publicação havia atingido cerca de três mil curtidas e quase 400 compartilhamentos na publicação. Geralmente, as divulgações não passam de 10 engajamentos. Na nota, a BCIT esclarece que o biólogo solicitou participar de pesquisa sobre purificação da água e por “curto prazo”.

“Paolo Zanotto não é professor adjunto do BCIT. Esse indivíduo contatou o BCIT para organizar uma visita acadêmica de curto prazo, não remunerada e não docente, referente a pesquisa relacionada à purificação da água. Visitas internacionais dessa natureza estão sujeitas a processos internos e externos de verificação do BCIT – incluindo a aprovação da imigração do Canadá. O pedido está pendente”, afirmou o perfil, em inglês.

O próprio virologista brasileiro foi até o perfil para, em inglês, explicar a participação no comitê organizado para orientar o titular do Palácio do Planalto.

“Eu estava sugerindo que a avaliação das plataformas de vacinas fosse acompanhada pelos melhores cientistas do Brasil, de forma independente. Esta sugestão não foi aceita. Podemos apenas sugerir, mas não podemos decidir. Este é o trabalho do governo. Quanto ao tratamento, consulte as meta-análises e estudos”, afirmou em resposta a provocações.

Veja declaração de Zanotto

Entenda o caso

O biólogo, com mestrado e doutorado em virologia, virou alvo da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 após ter aparecido em vídeo sobre a existência de um “ministério paralelo”, criado para orientar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a gestão da pandemia no país. Em seu discurso gravado, Zanotto solicita que Bolsonaro tome “extremo cuidado” com as vacinas contra a Covid-19. Naquela época, o Ministério da Saúde já ignorava e-mails da Pfizer com ofertas de imunizantes.

No vídeo, como mostraram os repórteres Sam Pancher e Lourenço Flores, do Metrópoles, Paolo Zanotto pediu a Jair Bolsonaro a criação de um “shadow board”, uma espécie de gabinete paralelo ou “grupo das sombras” contra a pandemia.

Além disso, Zanotto já atacou o comando da CPI da Covid e teve um post marcado como fake news pelo Facebook, conforme revelou o colunista Guilherme Amado.

Últimas notícias