Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

DF: no lockdown, igrejas e templos devem funcionar com distanciamento

Por lei, entidades foram incluídas como serviços essenciais e poderão funcionar normalmente, desde que respeitadas as determinações

atualizado 26/02/2021 14:31

Cruz em igrejaIgo Estrela/Metrópoles

O governador Ibaneis Rocha (MDB) excluiu igrejas, templos e demais locais religiosos das medidas restritivas de funcionamento durante as duas semanas que durar o lockdown no Distrito Federal.

De acordo com o decreto publicado, nesta sexta-feira (26/2), em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), esses estabelecimentos podem continuar abertos, apesar das determinações recentemente anunciadas para evitar aglomerações.

Mais cedo, durante uma entrevista à Rádio CBN, o titular do Palácio do Buriti justificou a decisão pelo fato de a prática religiosa ter sido incluída, por meio de uma lei distrital, nos serviços enquadrados como essenciais.

“Tem uma lei distrital que  coloca como serviço essencial. Então, as igrejas podem funcionar, desde que obedecido o distanciamento legal que já imposto”, frisou Ibaneis.

De autoria do deputado Rodrigo Delmasso (Republicanos), a lei foi sancionada em 10 de julho do ano passado.

Lockdown

Além de limitar o funcionamento do comércio, das 20h às 5h, a partir da próxima segunda-feira (1º/3), o governador vai proibir a venda de bebidas alcoólicas a partir das 20h.

O lockdown noturno vai durar pelo menos 14 dias, segundo informou Ibaneis.

Durante a participação na entrevista, o chefe do Executivo também afirmou que a fiscalização será realizada pela Secretaria DF-Legal e pela Polícia Militar (PMDF). Quem desobedecer pode ter o estabelecimento lacrado. Há, também, previsão de multas.

Últimas notícias