Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Após denúncias, CRM-DF fiscaliza superlotação e precariedade no HRC

Entidade recomendou criação de um plano para resolver principais problemas enfrentados pela unidade pública de saúde da Ceilândia

atualizado 30/04/2021 19:56

Hospital Regional de CeilândiaRafaela Felicciano/Metrópoles

Após receber denúncias sobre falta de condições de trabalho durante a pandemia da Covid-19, o Conselho Regional de Medicina (CRM-DF) iniciou fiscalização no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Anteriormente, a entidade já havia antecipado que também vai monitorar a estruturação das novas unidades de campanha destinadas ao tratamento de Covid-19 no Distrito Federal.

De acordo com a entidade, as principais acusações feitas pelos profissionais de saúde foram a superlotação, condições precárias, sobrecarga de trabalho e insuficiência de insumos e de recursos humanos. Os funcionários pedem aumento do número de plantonistas, fornecimento de insumos básicos em quantidade adequada, mais produtos  para procedimentos invasivos, além da criação e manutenção de instalações adequadas aos pacientes, incluindo pontos de oxigênio.

Durante a vistoria, o CRM-DF verificou que a unidade que é referência para a assistência de pacientes com Covid-19, dentro do HRC, continua apresentando problemas crônicos de superlotação, insuficiência de recursos humanos e estruturais, recrudescidos com a pandemia em curso, o que gerou uma sobrecarga de trabalho e prejuízos na assistência.

Segundo a direção do hospital, há mobilização de recursos do Programa de Descentralização Progressiva de Ações de Saúde (PDPAS) pela gestão local, no sentido de minimizar as deficiências que estão no âmbito da governabilidade local, mas negou falta sistemática, até o momento, de insumos estratégicos como equipamentos de proteção Individual (EPIs) e medicamentos.

O conselho recomendou que seja criado e apresentado um Plano de Ação e de um Plano de Monitoramento e Avaliação, com propostas para resolução dos principais problemas enfrentados a curto, médio e longo prazo, no âmbito do HRC (assistência hospitalar). O relatório foi concluído na manhã da última quinta-feira-29) e será encaminhado direção da unidade e também para a Secretaria de Saúde do Distrito Federal para que sejam tomadas as providências cabíveis o mais rápido possível.

O que diz a Secretaria de Saúde?

A Secretaria de Saúde esclarece que, em razão da pandemia e do grande número de infectados com Covid-19, nota-se um grande aumento na demanda por internações, que dependem diretamente do número de leitos, recursos humanos e insumos disponíveis.

“Nesse sentido, a Superintendência da Região de Saúde Oeste, bem como a Diretoria do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) se empenharam em aumentar os recursos humanos por meio da gestão de horas de Trabalho por Tempo Determinado (TPD), movimentação de servidores das Diretorias Regionais de Atenção Primária e Secundária para assistência a pacientes Covid, bem como alguns servidores foram contemplados com ampliação da carga horária para a jornada de 40 horas semanais, de acordo com o plano de ação para contingência da pandemia da SES-DF”.

De acordo com a pasta, “os medicamentos de sedação e analgesia estão sendo entregues de forma racionalizada, por meio de grade de distribuição. Além disso, as equipes médicas e farmacêuticas da região vêm trabalhando com protocolo de substituição de medicamentos em caso de falta de alguns item do kit de intubação”.

“Grande medida de suporte contra o desabastecimento tem sido a gestão de recursos de PDPAS local que tem sido de grande valia para a compra de insumos estratégicos como Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e medicamentos”.

Últimas notícias