com Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Jean Paul Gaultier se despede das passarelas com show histórico

Ao lado de grandes ícones da moda, estilista fechou a Semana de Alta-costura com espetáculo homérico que relembrou seus 50 anos de carreira

atualizado 23/01/2020 18:20

Dominique Charriau/WireImage

Ao anunciar que se aposentaria das passarelas após seu desfile na Semana de Alta-Costura de primavera/verão 2020, Jean Paul Gaultier pegou todos de surpresa. A apresentação, aguardada por marcar os 50 anos de carreira do francês, passou a ser encarada como uma ocasião histórica, mas, ainda assim, ninguém estava preparado para o espetáculo de grandes proporções exibido nessa quarta-feira (22/01/2020), no Teatro Châtelet, em Paris.

Vem comigo conferir o desfile do ano!

A despedida de Gaultier começou com um pequeno vídeo que retratava um velório. O curta, exibido em um telão ao fundo da passarela, foi transferido para o palco, onde o caixão visto nas imagens surgiu carregado por seis dançarinos, entre dezenas de viúvas.

Em meio à cenografia, um refletor revelou o cantor Boy George, que entoou a música Back to Black, de Amy Winehouse. Ao fim da canção, a urna, protagonista do primeiro ato da apresentação, abriu e mostrando o primeiro das centenas de looks vistos ao longo dos 70 minutos de show.

Dominique Charriau/WireImage
Caixão visto na introdução do desfile reapareceu no palco

 

Dominique Charriau/WireImage
O cantor Boy George foi destacado entre as viúvas para cantar o hit Back to Black, de Amy Winehouse

 

Dominique Charriau/WireImage
Após a música, a modelo que abriu o desfile saiu do caixão

 

Ao som de Madonna, uma das musas inspiradoras de Jean Paul Gaultier, uma série de visuais all-white tomou a passarela, iniciando a retrospectiva da icônica carreira do designer francês. Os tons pálidos logo deram lugar à alfaiataria, aqui exibida fora dos corpos dos modelos.

Dominique Charriau/WireImage
Produções brancas abriram a apresentação

 

Dominique Charriau/WireImage
Os primeiros looks de alfaiataria entraram na passarela fora do corpo das top models

 

Dominique Charriau/WireImage
Terno posicionado no troco do modelo

 

Enquanto silhuetas construídas com gravatas davam novas possibilidades ao acessório masculino, a cantora B. Demi-Mondaine, ex-participante do The Voice França, adentrou o palco para interpretar o clássico This Is a Man’s World, de James Brown.

Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images
Patchwork de gravatas formou vestidos

 

Dominique Charriau/WireImage
Avental feito com o acessório masculino

 

Dominique Charriau/WireImage
B. Demi-Mondaine, do The Voice França 2018

 

O início do segundo ato marcou a chegada de uma das criações mais relevantes de Gaultier: o sutiã em formato de cone. A pegada fetichista da peça foi reforçada por fivelas e cintas-ligas que formavam vestidos, tops e até saias.

Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images
O sutiã-cone de Gaultier, lançado nos anos 1980, apareceu logo no começo do show

 

Dominique Charriau/WireImage
Irina Shayk ostentou a modelagem pontiaguda

 

Dominique Charriau/WireImage
Cintos grossos cobriram Joan Smalls

 

Dominique Charriau/WireImage
Saia de cintos com pegada fetichista

 

A desconstrução, iniciada no início deste bloco, logo originou jaquetas repletas de recortes e reinterpretações. Na sequência, a bandeira da França, em forma de vestido, introduziu as camisetas de marinheiro, outro item eternizado pelas mãos do estilista francês.

Dominique Charriau/WireImage
Desconstrução chegou às jaquetas

 

Dominique Charriau/WireImage
Mais um item de couro reinterpretado por Jean Paul

 

Dominique Charriau/WireImage
Vestido com as cores da bandeira da França introduz um clássico de Gaultier

 

Dominique Charriau/WireImage
A blusa de marinheiro ganhou novo formato em Gigi Hadid

 

Dominique Charriau/WireImage
Listras foram trabalhadas em vários tamanhos

A diversidade, outro tema sempre presente no trabalho de Jean Paul, foi contemplada em modelos de todas as idades, biotipos e gêneros, enquanto o jeans foi reinterpretado de forma estruturada e inovadora, com diversos acessórios metalizados.

Dominique Charriau/WireImage
Estilista francês fomentou, mais uma vez, a diversidade

 

Dominique Charriau/WireImage
Drag queen brilhou na apresentação

 

Dominique Charriau/WireImage
Vestido feito com estrutura de jeans

 

Dominique Charriau/WireImage
Denim ganhou vida com acessórios metálicos

 

Junto à androginia, marca do trabalho do estilista, a desconstrução voltou a surgir em cena, agora em ternos assimétricos com design diferenciado. A alfaiataria com pegada renascentista ganhou acessórios metalizados que sugeriram guerreiras urbanas prontas para fechar negócio.

Dominique Charriau/WireImage
Androginia foi revisitada em alfaiataria desconstruída

 

Dominique Charriau/WireImage
Designer brincou com formas e silhuetas

 

Dominique Charriau/WireImage
Os ternos ganharam caráter renascentista com peças de metal que retratavam o corpo humano

 

Dominique Charriau/WireImage
Artifício deu modernidade às produções

 

Dominique Charriau/WireImage
Assimetria em mais uma aparição de Gigi Hadid

 

O clima de batalha foi enfatizado nas estampas militares que deram continuidade ao show. Porém, o mood camuflado, aqui trabalhado em modelagens elegantes e modernas, não perdurou por muito tempo.

Como se a guerra travada no desfile tivesse feito várias vítimas, o luto voltou à passarela para guiar as viúvas sombrias que sucederam o espetáculo. No entanto, marcando mais uma das várias dualidades do show, uma Karlie Kloss volumosa apareceu para introduzir o segmento de noivas.

Dominique Charriau/WireImage
Estampa camuflada foi usada em shapes de alta-costura

 

Dominique Charriau/WireImage
Winnie Harlow foi coberta por folhas

 

Dominique Charriau/WireImage
Look masculino ganhou visual interessante pela mãos de Gaultier

 

Dominique Charriau/WireImage
Viúvas sombrias vieram logo após os visuais militares

 

Dominique Charriau/WireImage
Blazer com grandes ombros nesta modelo

 

Dominique Charriau/WireImage
Karlie Kloss abriu segmento de noivas com este vestido volumoso

 

Dominique Charriau/WireImage
Muitas texturas para o altar

 

Dominique Charriau/WireImage
Bella Hadid usou modelo transparente

 

Dominique Charriau/WireImage
A esta altura, as top models foram se posicionando ao fundo da passarela

 

Em clima de pompa, os vestidos brancos deram lugar à conhecida alta-costura do designer francês, repleta de volumes, texturas e muito brilho. As criações exclusivas continuaram pautando o show, em uma evolução de cores que foi dos pigmentos mais claros para os terrosos e vívidos.

Dominique Charriau/WireImage
A alta-costura de Jean Paul, cheia de formas e texturas

 

Dominique Charriau/WireImage
Esta parte foi um dos pontos-altos do show

 

Por falar em cor, o britânico Boy George voltou em todo seu esplendor para finalizar a apresentação, em uma festa que tomou o palco do Teatro Châtelet e reuniu todas a estrelas presentes no desfile.

Além das top models vistas acima, nomes como Dita Von Teese, Karen Elson, Coco Rocha, Yasmin Le Bon, Erin O’Connor, Mylene Farmer, Beatrice Dalle, Estelle Lefebure, Rossy de Palma, Farida Khelfa, Paris Jackson e até a boneca inflável Pandemonia fizeram questão de marcar presença no último desfile do estilista. A modelo brasileira Valentina Sampaio, primeira transexual a participar de uma campanha da Victoria’s Secret, também estava no casting.

Confira:

0

Se objetivo de Jean Paul era emocionar o mundo da moda, a missão foi executada com louvor. Ovacionado pela indústria, ele mira, agora, em seus próximos passos, longe das semanas de moda. Enquanto alguns cogitam uma maior participação do estilista no show business, nós torcemos para que ele presenteie o público com mais espetáculos como este.

Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images
Francês foi aclamado pelos presentes

Colaborou Danillo Costa

Últimas notícias