Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi

MDB, PSDB e União Brasil excluíram Moro de reunião de propósito

No domingo (13/3), dirigentes dos três partidos se reuniram em São Paulo para iniciar debate sobre candidatura única da 3ª via ao Planalto

atualizado 15/03/2022 11:53

O pré-candidato a presidência da República Sergio Moro (Podemos), participa de filiação de membros do MBL (Movimento Brasil Livre) no Hotel Renaissance, região central de São Paulo, nesta noite de quarta-feira, 26. Foto: Fábio Vieira/MetrópolesFábio Vieira/Metrópoles

Não foi por acaso ou por esquecimento que MDB, PSDB e União Brasil excluíram o Podemos do ex-juiz Sergio Moro da reunião no domingo (13/3), quando dirigentes dos três partidos iniciaram as discussões sobre uma candidatura única da terceira via à Presidência da República nas eleições deste ano.

A ausência do Podemos no encontro foi proposital. Segundo lideranças emedebistas e tucanas, os três partidos deixaram a legenda de Moro de fora como uma forma de pressionar o ex-juiz a “descer do salto” e sinalizar que também topa abrir mão de sua candidatura em nome de uma união da terceira via.

O ex-juiz da Lava Jato até tem defendido publicamente a união dos pré-candidatos que tentam furar a polarização entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT). Mas faz questão de ponderar não ver sentido em abdicar de sua candidatura, por ser o nome da terceira via mais bem colocado na pesquisas.

Como a coluna noticiou recentemente, outros pré-candidatos da terceira via pretendem aumentar a pressão contra Moro nas próximas semanas. Nessa estratégia, já começaram a propagar nos bastidores a tese de que o ex-juiz pode acabar se tornando o “vilão” das eleições de 2022.

Aliados de Moro no União Brasil minimizaram a ausência dele na reunião do domingo. Dizem que o presidente do União, Luciano Bivar, deve se encontrar em breve com o ex-ministro da Justiça. Os dois conversaram rapidamente nessa segunda-feira (14/3), durante rápido encontro no aeroporto de São Paulo.

Mais lidas
Últimas notícias