Como foi a operação para a vinda de Olavo de Carvalho ao Brasil

As tratativas foram conduzidas em sigilo, nos bastidores, por integrantes e ex-integrantes do governo federal e médicos bolsonaristas

A operação para trazer o escritor Olavo de Carvalho ao Brasil contou com a ajuda de integrantes e ex-integrantes do governo federal e consulta a médicos bolsonaristas brasileiros.

A negociação começou há algumas semanas e foi conduzida em sigilo, nos bastidores. O temor era de que a informação “vazasse” antes da chegada do escritor ao país, o que poderia atrapalhar.

Inicialmente, cogitou-se trazer o guru bolsonarista em uma espécie de ambulância aérea. A ideia, no entanto, logo foi abortada após médicos garantirem que ele poderia viajar em voo comercial.

E assim foi feito. Como a coluna antecipou mais cedo, Olavo chegou ao Brasil na manhã desta quinta-feira (8/7). Ele desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) acompanhado da mulher, Roxane Carvalho, que mora com ele no estado da Virgínia, nos Estados Unidos, e de um de seus alunos, que é médico.

O escritor viajou em um voo de carreira da companhia American Airlines, que decolou por volta das 22h30 da quarta-feira (7) do Aeroporto John F. Kennedy, em Nova York.

De Guarulhos, o escritor foi levado direto para o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (InCor), onde foi recebido pelo cardiologista José Antonio Ramires.

Durante as tratativas para a vinda de Olavo, aliados cogitaram levá-lo para um hospital privado, especializado na saúde de idosos — o escritor tem 74 anos. A ideia, contudo, não prosperou após avaliação de que seria mais difícil garantir o sigilo da internação, o que acabou não ocorrendo nem mesmo no InCor.

O guru bolsonarista veio ao país para tratar de uma doença na bexiga. Olavo lida, há alguns anos, com as consequências da doença de Lyme, também conhecida como “doença do carrapato”, causada pela bactéria Borrelia burgdorferi. Ela pode causar irritação na pele, dores nas articulações e fraqueza nos membros.