metropoles.com

“Presidente do BC não é deus do Brasil”, diz líder do governo Lula

O líder do governo na Câmara, José Guimarães, afirmou que a decisão do BC de manter a taxa de juros em 13,75% é um “desserviço ao país”

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Metrópoles
O deputado José Guimarães, líder do governo Lula na Câmara, gesticula durante entrevista ao Metrópoles
1 de 1 O deputado José Guimarães, líder do governo Lula na Câmara, gesticula durante entrevista ao Metrópoles - Foto: Reprodução/Metrópoles

O deputado José Guimarães (PT-CE), líder do governo Lula na Câmara, afirmou que o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, “quer ser o deus do mercado, mas não é o deus do Brasil”. Em entrevista à coluna, nesta quinta-feira (23/3), Guimarães declarou que o Comitê de Política Monetária (Copom) prestou um “desserviço” ao manter a Selic em 13,75%.

“Existe um programa que foi eleito pelas urnas. A autoridade monetária não é maior do que o veredicto das urnas. Todo mundo sabia quais eram as propostas do Bolsonaro e quais eram as do Lula. Ele [Campos Neto] tem que levar isso em conta. Ele não é deus. Ele quer ser o deus do mercado, mas não é o deus do Brasil.”, afirmou Guimarães.

As críticas do líder do governo ocorrem horas após Lula dizer que a taxa de juros é “absurda” e que Campos Neto não foi eleito pelo povo.

Guimarães disse que nunca ouviu Lula falar sobre o afastamento do presidente do BC, mas afirmou que o Congresso precisa discutir a questão dos juros. “Isso não significa que vamos desestabilizar ninguém.”

Confira a entrevista com José Guimarães no vídeo abaixo:

Qual foi a sua opinião sobre a manutenção da taxa de juros em 13,75% pelo Copom?

Vi a declaração do ministro do Haddad mostrando contrariedade. Como líder do governo, eu digo que foi muito ruim. O que me espanta é que o Haddad tem feito todos os esforços. A reforma tributária caminha a passos largos, e o caminho está pavimentado. Mais do que isso, o Haddad já preparou o novo arcabouço fiscal, ele só não está oficializado ainda. Estamos antecipando, sinalizando, mas o Banco Central decide manter a taxa. Não existe país capaz de se sustentar com a taxa de juros tão elevada. Não pode existir um negócio desses. Não temos perspectiva de inflação. O que justifica isso? Parece que é uma disputa para mostrar que tem autonomia. A autoridade monetária tem que levar em conta duas coisas, respeitando a autonomia dada ao Banco Central. Em primeiro lugar, ele [Campos Neto] não está acima do país. Ele tem que considerar o resultado das urnas, tem um programa que foi eleito pelas urnas. A autoridade monetária não é maior do que o veredito das urnas. É um programa que foi eleito, todo mundo sabia quais eram as propostas do Bolsonaro e quais eram as do Lula. Ele [Campos Neto] tem que levar isso em conta. Ele não é Deus. Ele quer ser o Deus do mercado, mas não é o Deus do Brasil. E, em segundo lugar, ele precisa considerar o esforço que a área econômica do governo está fazendo. Não é justo com o Haddad. Essa decisão é um desserviço ao país.

Você percebe uma disposição real do Lula para afastar o presidente do BC e pedir ao Senado que chancele? 

Nunca ouvi nem toquei nesse assunto. Nunca conversei sobre isso. O que é público e notório é que o governo está fazendo tudo o que é possível para garantir a estabilidade econômica e o crescimento. Estamos segurando as pontas e fazendo investimentos sociais. A proposta do arcabouço fiscal é para trazer o equilíbrio. O Brasil precisa disso. O Brasil não pode conviver com tantos miseráveis passando fome. [A manutenção da taxa de juros] não é o melhor caminho, não é uma necessidade. Quando você tem uma disparada inflacionária, você justifica a tomada de medidas duras. Mas isso não está acontecendo. Qual é a razão para essa radicalidade toda? [O Campos Neto] quer ser maior do que o governo? Isso não pode.

Você recebeu alguma orientação do governo para convocar o presidente do BC para vir à Câmara prestar esclarecimentos?

Não, não recebi. Nós temos que fazer um debate aqui dentro. Não é um debate sobre convocação ou não. O Congresso precisa discutir essa questão dos juros. O mercado discute, as instituições do mercado discutem, a Av. Paulista e Faria Lima discutem… Por que o Congresso não pode discutir? Qual é o mal nisso? Isso não significa que vamos desestabilizar ninguém. Isso significa que vamos pôr em ordem uma questão central para retomar o crescimento e a geração de oportunidades para o Brasil. Ninguém aguenta mais isso.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?