Movimento quer eleger bancada da Cannabis na Câmara dos Deputados

Movimento suprapartidário reúne dez candidatos à Câmara dos Deputados que defendem a legalização da Cannabis na próxima legislatura

Dez candidatos à Câmara dos Deputados, filiados a sete partidos, formaram um movimento para lançar a bancada da Cannabis na próxima legislatura. Todos defendem a discussão da legalização da droga pelo Congresso.

O movimento foi criado por Maisa Diniz, da Rede de São Paulo, e reúne Eder Matos (MDB-SE), Paulo Teixeira (PT-SP), Mari Valentim (Cidadania-DF), Bacelar (PV-BA), Louise Verde (PV-DF), Elayne Carvalho (PDT-CE), Dário 420 (PSol-MG), Santo Skywalker (PSol-SP) e André Barros (PSol-RJ).

Os candidatos conversam com nomes filiados ao PSDB e ao Novo para se unirem ao movimento. Outra ideia é buscar candidatos às Assembleias Estaduais e ao Senado para participar da iniciativa.

1/16
A Cannabis, também conhecida como planta da maconha, tem origem asiática repleta de polêmicas. Socialmente marginalizada, sob a luz da ciência, no entanto, apresenta potencial medicinal para tratar diversas patologias
Segundo especialistas, a cannabis tem substâncias, como os canabinoides, capazes de agir e desencadear reações em diversas áreas do corpo, como o cérebro
A cannabis apresenta três espécies: ruderalis, indica e sativa, sendo as duas últimas as mais populares. No caso da sativa, pode-se ainda destacar o canabidiol, que tem efeito relaxante e, por isso, é utilizado com fins terapêuticos
Além do canabidiol, na cannabis sativa é possível encontrar tetrahidrocanabidiol, substância com capacidade de gerar sensações de prazer, alívio, euforia, entre outras
Na indústria farmacêutica, as propriedades da cannabis podem funcionar como anticonvulsivo, analgésico e sedativo no tratamento de doenças, tais como: epilepsia, esquizofrenia, esclerose múltipla, Parkison e dores intensas
Por esses motivos, cada vez mais países têm regulamentado o uso da substância para tratamento de enfermidades, apesar de muitos ainda proibirem a utilização da cannabis para fins recreativos
Canadá, Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Dinamarca, Itália, Espanha, Bélgica, Portugal, entre outros países europeus, permitem, com regras próprias, a utilização da maconha para uso medicinal
Na América Latina, países como Argentina, Uruguai, Colômbia, Jamaica, Equador e México, por exemplo, também liberam a cannabis para fins medicinais e terapêuticos
Cada estado define as especificidades em torno da utilização da maconha medicinal, mas, no geral, as autorizações funcionam de duas maneiras: permissão apenas para uso terapêutico e medicinal ou liberação também para uso recreativo
No Brasil, a Anvisa permite a importação e o uso da substância em alguns remédios desde 2014. Até então, as plantas ainda precisavam ser trazidas do exterior. No entanto, em 2021, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 399/2015, que autorizou o cultivo de Cannabis sativa no Brasil para fins medicinais, veterinários, científicos e industriais
Por aqui, para realizar a compra de medicamentos ou produtos derivados de cannabis (ambos com fins medicinais) é necessário ter prescrição médica. Além disso, é preciso ter condições para adquirir os produtos, uma vez que o valor a ser desembolsado pode alcançar quatro dígitos