Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Dados de 15 mil offshores do Pandora Papers são publicados

É a primeira publicação das informações que subsidiaram a maior investigação jornalística do ICIJ

atualizado 06/12/2021 17:10

Arte para pandora papersGui Primola/Metrópoles

O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) publicou nesta segunda-feira parte do banco de dados que subsidiou o Pandora Papers, a maior investigação jornalística da história, publicada pelo Metrópoles e outros 149 veículos dos cinco continentes.

A coluna participou do projeto que no Brasil revelou as offshores do ministro da Economia, do presidente do Banco Central e de grandes devedores da União, entre outros. Ao todo, o Pandora Papers trouxe informações sobre contas em paraísos fiscais de mais de 330 políticos de diversas partes do mundo, 130 bilionários (entre eles brasileiros, como Rubens Menin, o dono da MRV, e o dono da Grendene, Pedro Grendene Bartelle), celebridades e integrantes de famílias reais.

Offshores são empresas baseadas em paraísos fiscais que combinam pouco ou nenhum imposto corporativo e o sigilo quanto aos seus proprietários e ou beneficiários.

Na publicação de hoje, o ICIJ tornou públicas as informações de 15 mil offshores. Todos os registros foram incorporados ao Offshore Leaks Database, que agrega as informações de todos os projetos do ICIJ, como o Panama Papers e o Paradise Papers. Com a nova adição, a base de dados tem agora informações sobre 800 mil offshores ligadas a pessoas em mais de 200 países.

“É o segredo que possibilita crimes”, apontou o diretor geral do ICIJ, Gerard Ryle. “Nosso trabalho mostrou que paraísos fiscais podem oferecer proteção para pessoas e empresas que têm algo a esconder”, acrescentou.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna