Aras deve dar recado a Alexandre ao arquivar ação de Bolsonaro

Na decisão de arquivamento, Augusto Aras deve registrar expedientes questionáveis de inquérito relatado pelo ministro Alexandre de Moraes

O procurador-geral da República, Augusto Aras, deve dar uma cutucada no ministro Alexandre de Moraes, do STF, na próxima semana. A expectativa no entorno de Aras é que o recado venha junto do provável arquivamento da representação que Jair Bolsonaro apresentou contra Moraes na quarta-feira (18/5).

Segundo interlocutores do PGR, Aras deve registrar na decisão de arquivamento que o Inquérito das Fake News tem expedientes questionáveis. Uma crítica é a dificuldade que as defesas dos investigados e a própria PGR dizem ter para acessar o processo, que tramita no gabinete de Moraes. O documento deve ser assinado pela vice-PGR, Lindôra Araújo.

A nova investida de Bolsonaro contra o ministro, agora na PGR, aconteceu na quarta-feira (18/5). Nesse dia, o ministro Dias Toffoli, do STF, havia rejeitado uma ação do presidente no tribunal contra Moraes.

1/10
Daniel Ferreira/Metrópoles
A relação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, com o presidente Jair Bolsonaro é, de longe, uma das mais tumultuadas do cenário político brasileiro
No capítulo mais acalorado, no último 7 de Setembro, o presidente chamou o ministro de “canalha” e ameaçou afastá-lo do cargo
O motivo? Moraes expediu ordem de busca e apreensão contra bolsonaristas e bloqueou contas bancárias de entidades suspeitas de financiar atos contra o STF
“Sai, Alexandre de Moraes, deixe de ser canalha, deixe de oprimir o povo brasileiro”, disse o presidente diante de uma multidão
Meses antes, em fevereiro, Moraes havia mandado prender o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), aliado do presidente
Moraes também é relator de inquéritos em que o presidente e vários de seus aliados aparecem como investigados
O mais recente é o que investiga Bolsonaro por associar as vacinas contra a Covid-19 com a contração do vírus HIV, causador da aids
O inquérito motivou o início de mais um round entre os dois
“Tudo tem um limite. Eu jogo dentro das quatro linhas, e quem for jogar fora das quatro linhas não vai ter o beneplácito da lei. Se quiser jogar fora das quatro linhas, eu jogo também”, disse o presidente

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.