Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Consórcio que reúne DF e seis estados espera aprovação da Anvisa para comprar Sputnik V

O Consórcio Brasil Central informou que há interesse na aquisição de doses da vacina russa, desde que haja autorização da Anvisa

atualizado 10/06/2021 15:43

Reunião Consórcio Brasil CentralDivulgação/BrC

O Consórcio Brasil Central (BrC), que reúne o Distrito Federal e seis estados, vai aguardar a decisão final da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre aprovação do uso emergencial da vacina Sputnik V para comprar doses do imunizante russo contra a Covid-19.

A decisão foi tomada durante reunião extraordinária do Conselho de Administração do BrC, nesta quinta-feira (10/6). Na última segunda (7/6), o grupo solicitou à Anvisa que estendesse a autorização dada ao Consórcio Nordeste, no dia 4 de junho, para a importação emergencial da vacina.

“As estritas e complexas condições impostas pela Anvisa na autorização excepcional para importação da Sputnik V ao Consórcio Nordeste – operacionais, sanitárias e logísticas – levaram os entes consorciados a manter o interesse na compra do imunizante, desde que haja a autorização e regulamentação pela Anvisa”, afirmou o BrC.

“Nesse sentido, o Consórcio Brasil Central reafirma seu interesse na compra da vacina, porque entende que o momento exige o maior número possível de imunizantes à disposição dos governos e das populações, mas alinha-se à manifestação das unidades da Federação consorciadas para que se aguarde a autorização da Anvisa para uso emergencial da Sputnik V”, disse.

O Consórcio Brasil Central reúne o DF, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão e Rondônia. O grupo é presidido pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), e tem como secretário-executivo o vice-governador da capital federal, Paco Britto (Avante).

De acordo com Paco Britto, considerando apenas 1% das respectivas populações, seriam importadas apenas cerca de 260 mil doses, seguindo critérios estabelecidos pela Anvisa. “Nesse caso, seriam cerca de 30 mil doses para o Distrito Federal”, informou.

Últimas notícias