Desabafo de italiano contra “brasileiro” Jorginho na Azzurra

Ao perder um pênalti nos acréscimos, o ítalo-brasileiro cometeu um erro tão lamentável quanto o de Andréas Pereira, na final da Libertadores

atualizado 29/11/2021 9:15

Getty Images

Quando a Itália conquistou este ano o título da Eurocopa, em julho último, muitos avaliaram que havia acontecido uma “revolução” no futebol da Azzurra. Uma equipe que sempre se destacou pelo estilo de jogo conservador, retranqueiro, de repente apareceu jogando de forma bem agressiva e envolvente.

Tudo parecia perfeito, até que o time italiano complicou-se nas Eliminatórias Europeias e está ameaçado de novamente não disputar a Copa do Mundo (ficou de fora em 2018, na Rússia). 

“Infelizmente empatamos em casa com a Suíça, num jogo em que tínhamos tudo para vencer e qualificar-se diretamente para o Catar 2022. E empatamos com mais um pênalti perdido por Jorginho, o terceiro que ele perde em jogos da Itália”, desabafou em mensagem à coluna o italiano Gabriel Valletta, diplomata aposentado que serviu em Brasília, Washington e Nova York. 

“Agora vamos ter que passar pela Macedônia do Norte, em casa, e depois enfrentar Turquia ou Portugal, fora de casa. Somos melhores no ranking e deveríamos decidir em casa, mas vá entender os critérios da Fifa…”, complementou o inconsolável Valletta.

De fato, a Azzurra poderia ter carimbado o passaporte para o Catar, mas ficou no empate em 1 x 1 com a Suíça, no Estádio Olímpico de Roma, (dia 12/11), e agora definirá sua situação na última rodada das Eliminatórias. O volante brasileiro naturalizado italiano Jorginho desperdiçou um pênalti nos acréscimos.

Foi uma falha tão lamentável quanto a de Andreas Pereira na final da Libertadores entre Flamengo e Palmeiras.

Nesse domingo (28/11),  por coincidência, Jorginho —  que é candidato ao Prêmio The Best 2021 — foi “anjo e demônio”  no empate do Chelsea com o Manchester United por 1 x 1, na Premier League. Ele errou no primeiro gol da partida, dando uma “assistência” para o adversário, e depois converteu cobrança de pênalti sofrida por Thiago Silva.

Para concluir, talvez seja importante ressaltar que Gabriel Valletta,  o ex-diplomata italiano, é um apaixonado pelo Brasil, pela Bossa Nova, e pelo futebol brasileiro, mas ainda não se conformou com o vacilo do ítalo-brasileiro Jorginho.

Essas “feridas” realmente demoram um pouco para sarar.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Mais lidas
Últimas notícias