Carros em uma velocidade e precisão que você ainda não viu.

A guerra dos SUVs compactos: confira o teste que fizemos com o Tracker 1.2

Versão Premier, topo de linha do modelo da Chevrolet, tem boa relação peso/potência e ótimos itens de segurança e é espaçoso e confortável

atualizado 07/12/2020 21:37

Foto: GM Mercosul/Divulgação

O utilitário Chevrolet Tracker bateu em outubro o pico histórico de vendas no mercado brasileiro: foram 6.595 unidades emplacadas. Do meio do ano para cá, sempre superou a marca dos 6 mil indo para as garagens dos brasileiros – embora, em novembro, tenha ficado atrás do Jeep Renegade por apenas 116 unidades. 

Isso significa que as mudanças adotadas pela marca (motor 1.2 turbo no lugar do 1.4, por exemplo) estão dando certo? Para entender melhor esse desempenho, o Entre-eixos avaliou a versão topo de linha: do design (algo bem subjetivo) à segurança (leia mais abaixo sobre o sistema de freios) e do conforto ao desempenho. Confira!

Disposto na estrada, econômico na cidade
O Tracker, no período à disposição da coluna, circulou por ruas quase vazias e, por um dia, na BR-070, até próximo de Pirenópolis – e no trecho de terra no Parque dos Pirineus. Se saiu bem: o 1.2 turbinado tem disposição de sobra, semelhante aos aspirados comuns. Gera 133cv de potência, com 21,4kgfm de torque. Isso garante uma relação peso/potência de 9,5 kg/cv.

0

O consumo – e vale lembrar que essa avaliação depende do nível de ‘ansiedade’ do motorista e até do clima – mostrou que isso não é um problema: na estrada, ficou na faixa 13km/l com gasolina; na cidade, em uns 11km/l.


R$ 120 mil 
Valor da versão Premier, testada pelo Entre-eixos

No geral, o Tracker se mostrou como tem sido ‘vendido’ pela publicidade da empresa: bom em baixas rotações, garantindo silêncio e segurança em ultrapassagens e retomadas, por exemplo. É um carro roda bem macio, sem se ‘incomodar’ com bocas-de-lobo expostas, quebra-molas em demasia (saída fácil e burra para a gestão do trânsito) etc. Nesse caso, talvez fosse mais propício usar rodas aro 18.

Sim, ele também freia sozinho
Os equipamentos de segurança e de conforto deixam condutor e passageiros tranquilos: a versão Premier testada vem com alerta de ponto cego e de distância do carro à frente e até mesmo frenagem automática de emergência. E, claro, os 6 airbags de série (2 frontais, 2 laterais e 2 de cortina).

Em relação às comodidades, a versão vem com itens que, felizmente, começam a se popularizar: chave presencial com partida por botão, carregador de celular sem fio e, no caso específico da Chevrolet, internet 4G a bordo com chip da Claro. Vale lembrar também do OnStar e seus serviços de segurança e proteção e concierge.

Fonte: Fenabrave

Design renovado, mais beleza
A versão Premier do Tracker traz belos faróis de LED, com luzes de curva embutidas, numa grade cromada até discreta. As lanternas traseiras também em LED (exceto a luz de ré). Foi-se o tempo em que o Tracker tinha uma traseira muita feia; hoje, tem até escape duplo cromado, estribos laterais… Internamente, padrão Chevrolet: o teto solar panorâmico amplia a sensação, já boa, de muito espaço – exceto o tanque de gasolina (44 litros) e o porta-malas (393 litros). E os produtos usados no acabamento também elevam o bem-estar. Os bancos também ganharam detalhes e materiais de qualidade.

E até o MyLink ficou melhor
O sistema multimídia melhorou: agora tem tela de 8’’ mais responsiva aos comandos. Ficou bem legal. Está, por exemplo, mais rápida (a GM informa melhoramento na velocidade de processamento). 

O layout e resolução gráfica também foram aprimorados, com opções de menus – exibe tanto informações de áudio quanto as do telefone, e ao mesmo tempo. E uma boa notícia para os casados: o MyLink agora permite o pareamento simultâneo de até dois celulares por Bluetooth. 

Vale lembrar que ele é compatível com os sistemas Android Auto e Apple CarPay – e consequentemente com aplicativos do tipo Waze, Whatsapp etc. E com comandos de voz.


Sistema de freios 

  • O carro é capaz de identificar potenciais situações de perda de eficiência de frenagem por aquecimento do sistema, como geralmente acontece em descidas de serra, quando a frequência e a intensidade de uso do equipamento é mais intensa. Neste caso, o veículo aumenta automaticamente a pressão do conjunto hidráulico para que o motorista não precise elevar demasiadamente a força de aplicação no pedal para realizar as frenagens.
  • O sistema analisa a velocidade, a aceleração lateral e o ângulo de esterçamento do volante para distribuir a força de frenagem em cada roda. Isso aumenta a estabilidade.
  • Há um recurso que ajuda a manter a trajetória em frenagens em linha reta, podendo aplicar uma força específica em cada roda, compensando variações comuns de aderência da pista ou da distribuição irregular do peso de carga, por exemplo.
  • Outra novidade é a opção do sistema de alerta de colisão com sistema de frenagem autônoma em caso de emergência para mitigar ou mesmo evitar acidentes. Uma câmera no alto do para-brisas monitora e sensores ultrassônicos fazem a leitura para detectar a aproximação de algum outro veículo à frente. Primeiro, o Novo Tracker tanta alertar o condutor por meio de um alarme sonoro e de um sinal luminoso que é refletido na base do para-brisas. Caso não haja qualquer reação do motorista, o sistema aciona automaticamente os freios.

Ficha técnica

Motor
1.2, 12V, turbo, injeção eletrônica de combustível

Potência
132/133 cv a 5.500 rpm

Torque
19,4/21,4 kgfm a 2.000 rpm

Câmbio
Automático de 6 marchas; tração dianteira

Direção
Elétrica

Pneus
215/55 R17

Dimensões
Compr.: 4,27 m

Largura: 1,79 m

Altura: 1,62 m

Entre-eixos: 2,57 m

Tanque
44 litros

Porta-malas
393 litros


 

Últimas notícias