*
 
 

Em todo texto que fale sobre a novela das 9, O Sétimo Guardião, Nany People é citada pela interpretação da trans Marcos Paulo. Estes elogios são as melhores afirmações a respeito da presença de trans em teatro, cinema e TV – inclusive representando pessoas trans –, além de coroar uma carreira de talento e consistência.

Eu sei que a personagem é polêmica e a forma que se dá sua presença na história tem gerado mais críticas que elogios. As interações entre Marcos Paulo e os personagens de Tony Ramos e Lília Cabral são bastante desagradáveis e é justamente o núcleo onde ela está inserida. Mas Marcos Paulo vai colocando cada dia mais as garras de fora e, nessa briga de foices, nem ela nem Nany saem por baixo.

Nany é uma mulher transgênero de extremo talento. Tremenda comediante, seu papel na novela tem revelado a grande atriz que é para além da comédia. Tem uma cena em que ela vai ao cabaré beber e acaba subindo ao palco para cantar Tigresa, de Caetano Veloso. É coisa de quem tem anos de tablado.

Talvez você não saiba, mas ela é bastante inteligente também. Suas colunas na G Magazine eram escritas com brilhantismo. Teve uma sobre a Parada Gay, toda em versos e rimada, que foi inesquecível.

Apesar de não me agradar o lugar que sua personagem ocupa na trama, ela também tem pontos positivos. Marcos Paulo é uma química das mais competentes do país. Ela não vem de um lugar de marginalidade, é uma profissional competente e respeitada no seu meio. Talvez por isso soe tão desagradável e quase irreal que aquela mulher trans tão incrível aceite ficar sendo chamada de “veado” e afins.

A nível de registro, Nany é uma mulher trans interpretando uma mulher trans, pauta sempre reclamada quando se trata de televisão. Porém, ela não é a primeira. A saudosa Rogéria interpretou Ninete na novela Tieta e cumpriu a mesma função de Marcos Paulo: chegar numa cidadezinha minúscula e impor seu corpo ao pensamento tacanho do lugar. No entanto, ante aos estranhamentos e críticas da população de Santana do Agreste, Ninete encontrava apoio de Tieta e até do padre da cidade.

Sei que muitas pessoas trans não encontram suporte de absolutamente ninguém na vida real, mas mostrar um gesto de acolhimento também pode provocar reflexões.

Por fim, Rogéria chegou num lugar ainda mais ousado. Na novela Lado a Lado, interpretou não só uma mulher cis, mas que deu à luz a filhos. O nome era Alzira Celeste. Por isso, torço para que Marcos Paulo seja apenas o primeiro papel de Nany em mais e mais novelas.

Quando a gente pergunta “por que uma pessoa trans não interpreta este papel de uma pessoa trans?”, na verdade perguntamos: “por que uma pessoa trans não interpreta qualquer papel?”.

Especial
Já se ligou no hino do Bloco das Montadas, que sai no dia 3 de março, em Brasília? Dá o play aqui.

O projeto Transpoder está oferecendo oficina de bartender de graça no dia 13 de fevereiro, das 14 às 19h, no Canteiro Central (SCS, quadra 3, bloco A, lote 210 – Ed. Paranoá).

O workshop será ministrado por Eduarda Kona e as inscrições são exclusivamente para travestis, transexuais, transgêneros, intersexuais e não-binários no link.



 


tv globonany peoplenovela da Globoo sétimo guardiãonovela das 9novela das 21hNovela das Nove