*
 
 

A Força Aérea Brasileira (FAB) cancelou, na última sexta-feira (23/11), o concurso para oficiais temporários da área da saúde que realizaria este ano. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União e também no site da corporação, sem informar os motivos para a desistência da seleção.

As inscrições estavam abertas desde 19 de novembro e seguiriam até a próxima sexta-feira (30). O prazo para devolução da documentação de quem já havia aderido termina em 21 de dezembro. O concurso de Oficial Temporário ocorre todos os anos e tem validade de 12 meses. É destinado a profissionais graduados de ambos os sexos e idade inferior a 45 anos.

Para ser aprovado e poder ter contrato de até oito anos com a FAB, os profissionais passam por avaliação curricular, inspeção de saúde e um período de adaptação, semelhante a um curso de formação, quando fazem jus à patente de aspirante e têm remuneração de R$ 6.993. Passado esse período, se tornam 2º Tenentes e passam a receber salários de R$ 7.490.

Última seleção
Os concursos das Forças Armadas são conhecidos pela regularidade e pelo calendário anual, entretanto, as vagas de Oficial Temporário são um caso à parte. Em agosto, foram selecionados 209 graduados em enfermagem e nutrição na seleção conjunta com 132 profissionais das áreas de pedagogia e magistério.

O último edital para seleção de médicos temporários ocorreu em julho do ano passado – e não em novembro, como previsto –, quando foram abertas 143 vagas e outras 49 para cargos na área administrativa. Para esse perfil, a remuneração é de R$ 4.590. Dois anos antes, a oferta foi de 55 oportunidades.

Conforme previsto, no primeiro semestre, ocorreu a seleção de 104 vagas do Curso de Adaptação de Médicos, destinado a quem tivesse menos de 36 anos. Além das provas escritas de português e conhecimentos específicos, os inscritos passaram por inspeção médica, avaliação de condicionamento físico, prova prática-oral e validação de documentos.

O curso tem duração de 17 semanas e, ao final, os profissionais assumem a patente de 1º tenente, com remuneração de R$ 8.245.

Mais Médicos
Com a saída de Cuba do Programa Mais Médicos, em reação à eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República, o governo federal abriu seleção para admissão de 8.517 médicos. As inscrições, que terminariam hoje, foram prorrogadas até 7 de dezembro, e os aprovados serão distribuídos em 2.824 municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI).

Segundo o Ministério da Saúde, 92% das vagas foram preenchidas e 40 médicos já se apresentaram nas cidades em que vão trabalhar. Até a tarde de sexta-feira, 25,9 mil inscrições foram efetivadas, sendo 17,5 mil de profissionais que têm registros válidos nos Conselhos Regionais de Medicina (CRMs).

Trata-se de uma seleção simplificada, com avaliação de documentos, ao contrário do que ocorre tradicionalmente com os concursos públicos. Os candidatos também podem escolher a cidade de atuação. Todos passarão por um curso de especialização em atenção básica à saúde, oferecido pelas instituições de ensino superior vinculadas ao SUS.

Os contratos terão duração de 36 meses e o médico precisará cumprir oito horas semanais em atividades acadêmicas e 32 horas em atividades para fazer jus à bolsa-formação de R$ 11.865.

Prefeituras buscam médicos
Atualmente, pelo menos seis prefeituras promovendo seleções para diversas especialidades médicas. Em João Molevade (MG) estão em busca de 30 plantonistas para remuneração de R$ 500 por turnos de seis horas nas áreas de clínico geral, pediatria e ginecologia obstetrícia.

Para Piratuba (SC), Pinhal (SC), Rio do Oeste (SC), Espigão do Oeste (RO), Santa Teresa (ES), há pelo menos uma vaga, cada, e em Varginha (MG) em que são buscados cinco pediatras. As remunerações variam de R$ 3.318 a R$ 9.691, conforme carga horária de trabalho.

Este ano, mais de 107 prefeituras em 13 estados promoveram seleção para reforçar os quadros de médicos. Foram oferecidas mais de 200 postos, além de formação de cadastro de reserva. A menor remuneração foi registrada em São Sebastiação do Umbuzeiro (RO), R$ 2.184 para 40 horas semanais e a maior, R$ 15.889 em Jaguapitã (PR).