Abin: concurso homologado não atende ao déficit da agência

Seleção iniciada há dois anos vai nomear 300 servidores. Carência no órgão passa de 2 mil profissionais

Antonio Cruz/Agência BrasilAntonio Cruz/Agência Brasil

atualizado 22/10/2019 18:54

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) homologou o resultado final do concurso para agentes de inteligência, finalizando o processo que teve início há dois anos, quando foi autorizado. Em fevereiro, a lista definitiva dos oficiais de inteligência teve a homologação. No início de outubro, veio a de oficiais técnicos. Dessa maneira, passou a valer o prazo de dois anos de validade da seleção que vai preencher um total de 300 vagas.

O quantitativo aprovado é bem inferior às necessidades de preenchimento de vacâncias da agência reguladora. As posições contabilizadas ao longo de nove anos sem concursos, as aposentadorias e a previsão de ocupar todos os 1.600 postos criados em 2003 em 10 anos somam cerca de 2 mil postos aguardando por servidores.

Quando ocorreu a autorização do processo de seleção, em outubro de 2017, a recomendação da Associação dos Servidores da Abin (Asbin) era de que fossem contempladas 299 vagas para oficial, 103 para oficial técnico e 124 para agentes, totalizando 526 oportunidades. Entretanto, no edital publicado no início do ano passado, foram liberadas 220 para oficiais, 60 para oficiais técnicos e 20 para agentes.

O próximo passo da agência é aproveitar a autorização concedida pela pasta de Paulo Guedes até 31 de dezembro. Foram liberadas as nomeações de 80 servidores em fevereiro, sendo 60 para oficiais técnicos e 20 para agentes.

Ainda não foi definido quando serão empossados os demais 220 aprovados na atual seleção. A Abin não faz parte da lista de entidades da Administração Pública que solicitou autorização de novos concursos.

A seleção

O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe/UnB) foi responsável pela organização do concurso, que atraiu 64.882 inscritos. Os candidatos passaram por provas objetivas e subjetivas, prova de capacidade física — oficiais e agentes —, avaliações médica e psicológica, investigação de vida pregressa e curso de formação com 250 horas.

Durante a validade do concurso, que tem prazo de dois anos e pode ser prorrogado por igual período, podem ser aproveitados até 25% do número de vagas previstos no edital. A remuneração é feita por meio de subsídio, ou seja, um valor integral para contemplar salário e gratificações de função. Os oficiais e oficiais técnicos tem salário inicial de R$ 16,2 mil, e os agentes, de R$ 6,3 mil.

SOBRE O AUTOR
Letícia Nobre

Jornalista especializada em concursos há mais de 10 anos. Desde 2012, ajuda candidatos de todo o país a lidar não só com suas emoções, mas também com o processo de organização, produtividade e aprendizagem usando técnicas de coaching.

Últimas notícias