">
*
 
 

Não nos resta outra realidade senão a de compartilharmos a existência com os outros. Dos mais felizes aos mais perturbadores, os eventos da vida terão sempre testemunhas. Algumas delas, participantes ativas. Outras, meras observadoras.

Usar o verbo “compartilhar”, logo de início, soa redundante neste mundo em que vivemos. Afinal, é bem provável que você tenha chegado a este texto depois de alguém ter clicado num botão com esse enunciado. Apesar de novíssimo, o hábito se tornou tão corriqueiro que parece fazer parte do repertório dos “sempre” da nossa vida."

De fato, o que mudou foi o meio – agora, com as facilidades do mundo virtual, ouvimos nossa voz mais alta, com maior capacidade de alcance. E, assim, replicamos tudo aquilo que gostaríamos de ter dito antes, as ideias com as quais nos identificamos, o acontecimento que julgamos relevantes.

E fazemos isso por esperarmos uma troca. Queremos que os demais também nos alertem dos perigos, instruam sobre as novidades, provoquem um sorriso. Alimentamo-nos de referências.

Buscamos trocas porque somos seres essencialmente gregários, relacionais. É só assim que aprendemos sobre quem somos, sobre os papéis que ocupamos no mundo. Nossos olhos precisam de espelhos que nos façam enxergar melhor. E buscamos isso no olhar do outro.

Nossa necessidade de estabelecermos vínculos é vital. A ciência já atestou que um bebê que é higienizado e alimentado de forma austera, sem o toque carinhoso e o olhar de quem cuida, terá sérios problemas de desenvolvimento, e pode não sobreviver.

Quando crescemos, e superamos a demanda por cuidados básicos, mantemos essa necessidade de estabelecer pontes com nossos semelhantes. É delas que apreendemos os valores que norteiam nosso caráter e nossa ética.

Há pessoas que dizem optar por uma vida reclusa. Não falo aqui dos introvertidos típicos – aqueles cuja necessidade legítima é de concentrar o foco da própria energia em seu mundo interior.

Refiro-me aos reativos. A quem acha que a relação pode subtrair, em vez de somar. Pessoas que têm aversão a outras pessoas. Ontem, assisti a um breve vídeo da Monja Coen, sábia que muito admiro, alertando sobre uma frase que circula por aí: “gosto mais de bicho que de gente”. Esclareceu e me fez pensar sobre o assunto.

Talvez tais pessoas prefiram os animais pela incapacidade destes de promover, diretamente, questionamentos e confrontos mais profundos. Ou de oferecer menos frustrações às expectativas neles projetadas. Ou pela fartura e disponibilidade de carinho que oferecem. Bicho é menos exigente, cobra menos para que sejamos melhores.

Muita dessa evitação é gerada por reatividade. As feridas abertas por outros nos colocam indisponíveis para novas possibilidades. O isolamento é uma opção imatura, pois sugere que podemos evitar novos danos. Mal percebemos que é das mãos do outro que poderá o surgir o sanativo para nossos males mais profundos.

 


COMENTE

Ler mais do blog