5 produtos que não devem ser usados como lubrificante sexual

Sexóloga indica quais substâncias são adequadas para aumentar a lubrificação da vagina

O que fazer quando falta lubrificação natural na hora do sexo? Há várias explicações para o problema, entre elas estão: menopausa, doenças como diabetes e hipertensão. Pode ser também só a falta de excitação — nesse caso, garota, é bom reavaliar a sua disposição em transar. Por que você faria sexo se não está com vontade, certo? Ninguém é obrigada a nada!

Se o caso não é esse e você precisa mesmo é de uma ajudinha, aí vai. “Produtos à base de água são os mais indicados, já que óleo e silicone podem interferir na eficácia do preservativo”, destaca a sexóloga Carla Cecarello, do portal de relacionamentos C-date.

A mente do ser humano é criativa até demais nesses momentos. Então, antes de recorrer a substâncias “alternativas” e inapropriadas, leia as dicas que a especialista preparou. “Estes produtos podem tornar a região íntima mais propícia a infecções”, alerta.

1. Saliva
A saliva é viscosa, mas não desliza o suficiente para substituir lubrificantes artificiais. Além disso, facilita a ‘entrada’ para transmissão de doenças.

 

2. Creme corporal
Usar hidratante na região intima é completamente prejudicial à saúde, pois causa inchaço e irritação generalizada.

 

3. Óleo de coco
Apesar do óleo de coco ser conhecido como altamente nutritivo e hidratante, não deve ser utilizado na hora H. O alimento contém substâncias que podem interferir no látex da camisinha deixando os parceiros suscetíveis a doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

 

4. Vaselina
“É uma substância bastante escorregadia. Mas, não deve ser usada para melhorar a lubrificação íntima, já que a base é de petróleo e pode causar infecções”, ressalta Carla Cecarello.

 

5. Manteiga
Se você assistiu ao filme “O Último Tango em Paris” e, por algum motivo bizarro, gostou da ideia de passar manteiga no corpo da parceira, repense — e também procure um terapeuta, afinal, a cena foi claramente um estupro real e assustador.

De toda forma, não é indicado utilizar produtos comestíveis na região íntima, pois isso pode causar infecções e alergia.

 

“Vale ressaltar que os outros tipos de lubrificantes não são recomendados como, por exemplo, os que são à base de silicone, óleo ou petróleo”, complementa a sexóloga.