Scooby revela que Luana Piovani o ajudou após Anitta terminar com ele

O surfista encontrou com a ex-mulher em Fernando de Noronha, após terminar com Anitta

Reprodução / UOLReprodução / UOL

atualizado 12/09/2019 14:33

Após as várias polêmicas em que Pedro Scooby esteve envolvido, o surfista deu uma entrevista ao Blog do Leo Dias falando sobre os últimos acontecimentos da sua vida. Ele revelou como foi o encontro com a ex-mulher, Luana Piovani, em Fernando de Noronha.

“Quando eu estava em Noronha, teve um momento que o Dom passou mal na praia. Aí eu levei ele para casa e encontrei a Luana. Quando ele dormiu eu virei e falei: ‘Luana, eu não aguento mais isso. Eu não quero ficar brigando com mais ninguém. Eu não sou esse cara que fica brigando, não quero isso para minha vida. Desculpa se te magoei em algum momento da minha vida e vamos esquecer isso’. Foi um momento de desabafo”, relatou Scooby. 

O surfista disse que estava muito mal e que a situação começou a melhorar após Luana ter conversado com ele. “Eu cheguei nela e falei para nos respeitarmos e sermos bons pais para as crianças. Contei que não estava bem e tudo mais. Aí ela virou e disse: ‘Deixa eu te falar uma coisa. Eu fui casada oito anos com um cara que eu sempre admirei muito. Um cara de respeito e que pega as maiores ondas do mundo. Um cara que tem os melhores patrocínios e já fez campanha publicitária internacional. É respeitado tanto na favela quanto no Copacabana Palace. Eu estou te vendo em um lugar que não é o seu. Você está em um lugar pequeno e mesquinho e isso não é seu. Vamos levantar e seguir em frente’.  Depois desse dia, depois dela ter falado isso, eu levantei a cabeça e me senti com 2 metros de altura. Passei a ter um respeito por ela bem maior do que eu já tinha”, contou Scooby.

Já em relação a sua vida profissional, ele esclareceu sobre os rumores de ser um cara sem casa, encostado e que depende das mulheres: “Eu tenho vários contratos. Tenho com a Red Bull, Ultimate Ears, H. Stern, Jeep. Esses são os maiores e os fixos, fora os outros. Eu comecei a ganhar dinheiro com o surfe aos meus 13 anos de idade. Por isso eu falo que o surfe salvou minha vida. Aos 15 anos eu tive que virar o homem da casa. Porque meu pai foi preso e depois ele sumiu das nossas vidas. Eu passei a sustentar minha família com 15 anos. As pessoas não tem noção do que você passa ou já passou. Elas têm uma certa raiva por você viver bem, ter uma vida remunerada.  Mas não sabem o que rolou até você chegar lá”, desabafou o surfista.

SOBRE O AUTOR
Estevan Furtado

Estudante de jornalismo no Centro Universitário Estácio. Já trabalhou como estagiário na Revista Evoke e na Comunicação Docial do Cindacta I. Possui curso de Empreendedorismo Júnior pela Universidade de Brasília (UnB) e de Social Media pelo Portal Publicitário.

Últimas notícias