Rádio é acusada de homofobia por não tocar hits de Pabllo Vittar

Prints atribuídos à conta corporativa da rádio no WhatsApp revoltaram os fãs da cantora

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 12/11/2019 14:14

A rádio Super FM, de Santa Catarina, está sendo acusada de homofobia após supostos prints, divulgados nas redes sociais, mostrarem a conta corporativa da rádio no WhatsApp tecendo comentários preconceituosos contra a cantora Pabllo Vittar.

Em uma das imagens, um ouvinte pede a música Parabéns, sucesso do álbum 111 da artista brasileira. “Olá, não tocamos Pabllo Vittar aqui. Obrigado”, responde a rádio. “Mas por que não?”, pergunta o ouvinte. “Porque não sabemos se ele é um homem ou uma mulher”, retruca o perfil corporativo.

Em outro print, a mesma música é pedida. “Não tocamos isso aqui”, frisa o perfil da rádio. “Não tem música pop na programação?”, questiona o fã de Pabllo. “Tem música. Não essas coisas aí kkk”, manda a Super FM, que afirma tocar apenas sertanejo.

A publicação dos prints no Twitter fez com que diversos fãs da cantora, de várias cidades do país, começassem a enviar mensagens pedindo o hit. Procurada, a Super FM não retornou os contatos do Metrópoles até a publicação desta matéria.

Assista ao clipe!

SOBRE O AUTOR
Rafael Campos

Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Atuou como repórter e editor do Sistema Meio Norte de Comunicação, em seu estado, até 2010. Ao chegar a Brasília, trabalhou por cinco anos no jornal Correio Braziliense como repórter e colunista. Desde 2016, é social media no Metrópoles. Entre suas premiações, recebeu o 2º Prêmio Inovação de Jornalismo; o 1º Prêmio SBPT de jornalismo em Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), o Prêmio Sebrae de Jornalismo e o Goethe-Institut Journalism Award for Young Journalists.

Últimas notícias