“Golpe não é comigo”, diz Silvio Santos sobre o Golpe Militar

Ainda durante o programa, Silvio falou sobre outra ditadura sul-americana: a chilena

Reprodução / InstagramReprodução / Instagram

atualizado 14/10/2019 10:15

Já está virando rotina Silvio Santos se envolver em polêmicas. Nesse domingo (13/10/2019), não foi diferente. O apresentador trouxe à tona o Golpe Militar que ocorreu em 1964. Silvio, que apoia o presidente Jair Bolsonaro, disse que “golpe não é comigo”. 

Durante um quadro chamado Bolsa Família, o apresentador fez a seguinte pergunta: “O que aconteceu no Brasil no dia 31 de março de 1964?”. Como opção, os participantes tinha as respostas: um massacre popular, a Proclamação da República, um golpe militar ou as eleições diretas. 

Ainda durante o programa, Silvio falou sobre outra ditadura sul-americana: a chilena. Apareceu uma pergunta sobre um terremoto que matou mais de 5 mil pessoas no país. Foi então que Silvio disparou: “No Chile, para matar tanta gente, talvez tenha sido Pinochet”. A pessoa quem o apresentador se reveria é Augusto Pinochet, um general que ficou conhecido por ter imposto uma ditadura no Chile. Durante o período, mais de 40 mil pessoas foram torturadas e 3 mil mortas

SOBRE O AUTOR
Estevan Furtado

Estudante de jornalismo no Centro Universitário Estácio. Já trabalhou como estagiário na Revista Evoke e na Comunicação Docial do Cindacta I. Possui curso de Empreendedorismo Júnior pela Universidade de Brasília (UnB) e de Social Media pelo Portal Publicitário.

Últimas notícias