*
 
 

Em alta, a chia é uma fonte de ácidos graxos poli-insaturados, fibras, proteínas e minerais: cálcio, fósforo, ferro, magnésio, manganês, selênio e zinco.

Um estudo do Departamento de Alimentos e Nutrição da Unicamp, em Campinas (SP), revelou que, além das propriedades nutritivas, o consumo da semente ou do óleo da chia pode ajudar na prevenção de vários tipos de doenças, entre elas, o câncer e o mal de Alzheimer.

Essa foi também a primeira pesquisa que descobriu na chia componentes antioxidantes, que previnem o envelhecimento precoce das células, e a importante ação contra a redução da glicose sanguínea.

Os testes duraram cerca de quatro anos. De acordo com o levantamento, bastam duas colheres de sopa de chia ou o uso do óleo no tempero das comidas, saladas, sucos ou vitaminas para garantir todos os benefícios do grão.

A chia também ganhou fama como um alimento que ajuda no processo de emagrecimento, por ser rica em fibras e ajudar na saciedade. Porém, mesmo contendo vários benefícios, adicioná-la às refeições sem nenhuma mudança na rotina alimentar e sem o hábito de praticar exercício físico não vai promover resultados satisfatórios.

Consulte um nutricionista e adicione essa semente tão cheia de nutrientes no cardápio alimentar.



 


EmagrecimentoMal de Alzheimerchia