A dor muscular após o treino é sinal de eficiência?

Indivíduos destreinados ou sedentários têm maiores chances de dor tardia após um treino de força

A dor muscular nada mais é do que um processo inflamatório natural do organismo, fundamental para a reparação muscular. Sentir essa dor no dia seguinte, dois dias ou até uma semana após um treino é extremamente normal, porém, não é o único e nem é, necessariamente, sinal que a prática de exercícios foi eficiente.

Sentir dor (ou a falta dela) é mais um sinal da relação do equilíbrio entre a intensidade do treino versus o nível de treinamento do indivíduo. Esse resultado dá a eficiência do treino em si.

Indivíduos destreinados ou sedentários têm maiores chances de dor tardia após um treino de força. Qualquer atividade, mesmo que fraca, tem muitas chances de gerar adaptações no organismo desses indivíduos, o que, consequentemente, aumenta as chances de dores musculares.

Para indivíduos acostumados a se exercitarem, a dor muscular é percebida com mais intensidade depois da troca de treino, quando o estímulo muscular é alterado. Isso obriga o corpo a sair da chamada “zona de conforto”. O organismo, então, se adapta ao novo treinamento.

Existem diferentes estímulos musculares dentro de um treinamento. Aqueles com características mais “tensionais” (menor número de repetições e maior intervalo de descanso) contribuem mais para que essa “dor tardia” aconteça.

Entretanto, treinamentos com características mais “metabólicas” (mais repetições e menor intervalo de descanso) já não geram essa impressão dias após o treino.

Vale lembrar: ambos os métodos hipertrofiam e são eficazes.

É importante trocar periodicamente o seu treino para que sejam promovidas constantes adaptações em seu organismo.