Há um vasto componente de insânia nas ações contra o coronavírus

O Brasil, como sempre, será o último país a ver isso, depois de destruir ao máximo o seu próprio futuro

atualizado 25/03/2020 11:01

A moral humana foi arbitrariamente dividida, logo após a eclosão do coronavírus no Brasil, em duas vertentes. Na vertente do bem, estão os que defendem o máximo de repressão para evitar o contágio e salvar o país da morte pela peste. Esses são os homens de altíssimo espírito público, coragem extraordinária, dedicação ao ser humano – os bons, enfim. Na vertente do mal, estão os que querem banir a histeria, a desinformação científica e a esperteza política no combate ao vírus. Esses são os irresponsáveis, os totalitários e os psicopatas. Para eles, só impeachment resolve. De que lado você acha que colocaram o presidente da República? Acertou.

Deve ser uma das primeiras vezes na história em que alguém é condenado por pregar contra o pânico. Até hoje, as recomendações de manter a calma e evitar os atos irracionais, que fazem parte de 100% das instruções utilizadas no mundo inteiro (até em portas de quarto de hotel), em situações de perigo imediato ou potencial, sempre foram tidas como muito lógicas. Mas aqui é o Brasil, o presidente é Bolsonaro e a atividade de raciocinar é entendida de outras maneiras. Seja como for, começam a aparecer, cada vez mais, vozes dizendo que há um vasto componente de insânia nas estratégias adotadas no mundo até agora para enfrentar o coronavírus. Elas estão tendo o efeito prático de destruir o mundo antes que se destrua o vírus.

O pensador americano Thomas Friedman, um dos astros mais reputados do New York Times, que por sua vez se considera o farol da humanidade moderna, está dizendo claramente que isso tudo é um piro. O economista Milton Friedman, que serve de guia para tantas mentes liberais, vai no mesmo caminho. Infectologistas – inclusive brasileiros – com uma folha imensa de serviços prestados à ciência mundial  – apelam ao exercício da racionalidade para combater a epidemia.

O Brasil, como sempre, será o último país a ver isso, depois de destruir ao máximo o seu próprio futuro.

* Este texto representa as opiniões e ideias do autor.

Últimas notícias