*
 
 

Depois de ameaçar aproximação com o grupo ligado ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o pentacampeão mundial de futebol Ronaldinho Gaúcho decidiu, nesta terça-feira (20/3), seu caminho de estreia na política: ele se filiou ao Partido Republicano Brasileiro (PRB). O evento ocorreu na sede da agremiação, uma suntuosa casa na QL 22 do Lago Sul.

Com toda pompa de celebridade, incluindo a seleção criteriosa para acesso ao evento e ainda a comemorativa chuva de prata para saudar o homenageado, o ex-jogador, diferentemente da tradicional simpatia, não aparentou estar muito à vontade no ambiente – onde figuravam nomes como o presidente em exercício do partido, senador Eduardo Lopes (RJ), o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) e inúmeros deputados federais, estaduais e vereadores da sigla. Representantes locais do PRB, como o distrital Julio Cesar e a secretária de Esportes, Leila Barros, não prestigiaram o ato.

Em vídeo, o presidente da agremiação, o ex-ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Marcos Pereira foi um entusiasta da chegada do novo filiado, que deve concorrer a uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo Distrito Federal, apesar de oficialmente residir no Rio de Janeiro. “Você não sabe o quanto que sua filiação nos deixa honrados”, gravou o cacique, ao se desculpar pela ausência.

Com tom ensaiado para uma disputa majoritária no DF, o presidente local do PRB, Wanderley Tavares, não poupou elogios ao ídolo do futebol. “Ele é um fenômeno que abrange o mundo inteiro”, animou-se, em referência aos quase 35 milhões de seguidores no Facebook.

Craque em silêncio
Apesar da aparente insistência dos anfitriões de animarem a estrela do dia, Ronaldinho Gaúcho permaneceu em silêncio durante toda a solenidade, a qual durou 1 hora e 29 minutos, mesmo após o atraso de mais de meia hora. Sem direito a discurso do ex-craque, coube ao irmão dele, Roberto Assis Moreira – também ex-jogador – servir de porta-voz. “Essa filiação, para a gente, é o momento para dizer que, durante nossa atividade em campo, tivemos muito cuidado com o que falar, a todo momento. Hoje, podemos dizer da admiração pela bandeira do partido. É um prazer contribuir com ela”, disse o também novo filiado ao PRB para os pouco mais de 50 presentes.

Ao concretizar o ato de filiação, Ronaldinho Gaúcho e o irmão cumpriram o protocolo das fotos oficiais. Rapidamente, no entanto, recorreram a um acesso à garagem para deixarem o local sem mesmo despedirem-se dos presentes, que degustavam um coquetel externo com direito a coxinha, quibe, empadas e canapés.

Os fãs mais decididos deixaram os quitutes de lado e tentaram um contato mais próximo com o novo político do Distrito Federal. “Ronaldinho, sou sua fã. É sério, eu queria tirar uma foto com você para eu levar lá para Canto do Buriti, no Piauí”, esbravejava uma seguidora do ex-craque de futebol. Não deu tempo. Como costumava agir em seus tempos áureos nos campos de futebol, Ronaldinho driblou a admiradora anônima, entrou em um Jeep escuro, agora ao lado dos caciques da legenda, e deixou a mansão. Apesar de reconhecer o talento para o drible, a tiete – não agraciada com a lembrança do ídolo – resmungou: “Começou bem, para não dizer o contrário”.

Veja o vídeo:


Filiação ao PRB

Ronaldinho Gaúcho chega à sigla no Distrito Federal para manter a tradição de nomes conhecidos do esporte disputarem as eleições. Até então, no DF, a mais célebre entre essas figuras era a atual secretária de Esporte, Leila Barros, que disputou uma cadeira da Câmara Legislativa e, apesar de ter conquistado uma votação expressiva, alcançou apenas a primeira suplência da Casa.

A exemplo de outros, o partido sofre um impasse no diretório regional. Grupo ligado a Leila do Vôlei tenta manter a sigla na base aliada do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB). Já o atual presidente do PRB-DF, o empresário Wanderley Tavares, tenta construir espaço de destaque no cenário local e chegou a ensaiar a disposição de concorrer ao Palácio do Buriti, fato que incomoda aliados da secretária de Esportes.

A chegada de Ronaldinho Gaúcho, portanto, acabou sendo uma resposta às constantes ameaças da ex-jogadora de deixar a legenda caso o partido rompesse com Rollemberg. “Não ameaça ninguém. O PRB tem tradição em trazer nomes famosos para a política. Todos têm seu espaço”, contemporizou o deputado federal Celso Russomano (PRB-SP), proporcionalmente o parlamentar mais votado do país nas últimas eleições.

Leila Barros não foi localizada pela reportagem do Metrópoles.



 


Ronaldinho GaúchoLeila BarrosprbLeila do VôleiWanderley Tavares