Vídeo: protesto por democracia cerca comboio de Xi Jinping no DF

Presidente chinês está no Brasil para participar da 11ª Cúpula do Brics, bloco que reúne também Brasil, Rússia, Índia e África do Sul

O presidente da China, Xi Jinping, se tornou alvo de vários protestos em Brasília durante a participação na 11ª Cúpula do Brics, bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Desde que chegou à capital federal, o líder é perseguido por um grupo intitulado Movimento Democracia Sem Fronteiras, que clama contra a presença dele, classificado pelos manifestantes como “ditador”.

Ao desembarcar no Planalto Central, na noite de terça-feira (12/11/2019), Jinping entrou na mira dos militantes já nas vias próximas ao Aeroporto Internacional JK. O comboio se atrasou por cerca de meia hora em decorrência das manifestações em favor da democracia. A carreata teve de mudar de rota em virtude da passeata.

Veja vídeo:

“Nosso objetivo é defender a democracia e lutar contra qualquer tipo de autoritarismo. A gente está apoiando os protestos de Hong Kong. A China costura uma lei para extraditar as pessoas com opiniões contrárias ao do ditador, para que, assim, o regime não tenha oposição, o que é um absurdo”, afirmou um advogado brasiliense que integra o movimento. Ele pediu para ter o nome preservado.

Veja as fotos:

1/5
Desde a noite de terça-feira (12/11/2019), manifestantes protestam contra presença do presidente chinês
Eles bloquearam as vias de acesso do aeroporto quando o líder internacional desembarcou
Eles cercaram o trajeto feito por Xin Jinping durante a realização do Brics
A Embaixada da República Popular da China no Brasil também foi alvo do grupo, que foi dissipado pela Polícia Militar
Um urso inflável foi erguido nas proximidades da representação chinesa, contra a política classificada como “ditatorial”

Além dos protestos organizados, o grupo também anunciou, em letreiros luminosos da cidade, palavras de ordem contra o que os integrantes taxam de governo ditatorial. E passou a fazer vigília nas proximidades da Embaixada da China no Brasil, localizada na Avenida das Nações. Contudo, os manifestantes foram impedidos por policiais militares que reforçaram a segurança na região.

“Expulsaram a gente dentro de um território brasileiro, mas nossos protestos devem continuar”, disse o militante. “A gente quer liberdade para Hong Kong, e o povo brasileiro defende que a China tenha uma democracia de verdade”, disse.