Senadores redigem manifesto contra presença de líderes do PCC no DF

Documento, assinado por Reguffe, Izalci e Leila, tem como destinatário o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

Vinícius Santa Rosa / Metrópoles

atualizado 26/03/2019 13:04

Após a manifestação do governo federal de que manterá os principais líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no Presídio Federal de Brasília, mesmo com as críticas de autoridades locais, a bancada do DF no Senado redigiu um manifesto contrário à decisão do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Assinado pelos três representantes na Casa – senadores Reguffe (sem partido), Izalci (PSDB) e Leila Barros (PSB) –, o documento seria encaminhado à pasta federal ainda nesta segunda-feira (25/3).

“É uma decisão esdrúxula colocar os principais líderes de uma facção criminosa perigosa em um mesmo presídio, ainda mais na capital de um país”, disparou o senador Reguffe.

O manifesto foi redigido após a transferência de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, na sexta-feira (22), para o Distrito Federal. O líder do PCC estava em uma unidade prisional de Porto Velho (RO).

Últimas notícias