*
 
 

Responsável por defender direitos humanos e cidadania de travestis e transexuais masculinos e femininos contra discriminações, a rede nacional RedTrans Brasil – sediada em Aracaju (SE) – publicou, na quarta-feira (8/8), nota de “solidariedade e clamor” pela manutenção da candidatura de Paula Benett (PSB) à Câmara dos Deputados. Ela seria a primeira mulher transexual a disputar uma cadeira no Congresso Nacional pelo Distrito Federal.

“Pedimos ainda que o PSB e os partidos Rede, PDT, PV e PCdoB, que fazem parte da nova coligação no DF, construam no diálogo para o entendimento que uma das 16 vagas tenha nesta coligação a representatividade e história de Paula Benett. Não basta apenas lutar para formalizarmos segmentos, temos que, na prática, fazer a inclusão de pessoas trans na política”, diz trecho da nota.

Benett foi rifada pelo PSB após o partido se coligar oficialmente com o PDT. Com a junção, as vagas para candidaturas tiveram de ser divididas entre as cinco siglas integrantes da chapa de reeleição de Rodrigo Rollemberg: PSB, PDT, Rede, PV e PCdoB. Das 16 vagas disponíveis para a coligação, a Rede possui sete nomes. O restante é dividido entre as quatro legendas.

Procurada pela coluna Janela Indiscreta, Paula Benett confirmou a penúria de tentar manter-se na corrida à Câmara dos Deputados. “Eu me sinto extremamente triste com a situação. Agradeço todas as mensagens de apoio que venho recebendo e, sinceramente, tenho a esperança de que partidos que se dizem inclusivos e falam sobre empoderamento trans façam isso na prática, abdicando de uma das 16 vagas na coligação. Só assim eu poderei concorrer, representando várias vozes excluídas da sociedade.”



 


lgbtPSBeleições 2018Paula BenettCandidata trans