Contra Bolsonaro, Cristovam engole mágoa do PT e assume voto em Haddad

Derrotado nas últimas eleições, senador pelo PPS disse que não vai "ajudar a abrir a porta do Brasil para o autoritarismo e a intolerância"

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 11/10/2018 15:38

Derrotado na eleição para um novo mandato, o senador Cristovam Buarque (PPS) anunciou nesta quinta-feira (11/10) que votará no petista Fernando Haddad no segundo turno ao Palácio do Planalto. É a primeira vez que o ex-filiado ao Partido dos Trabalhadores apoia abertamente um candidato da legenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não vou ajudar a abrir a porta do Brasil para o autoritarismo e a intolerância. Votarei no Haddad”, escreveu o parlamentar em sua conta pessoal do Twiitter.

Magoado com o PT e Lula desde que foi demitido por telefone do Ministério da Educação, em 2004, Cristovam se distanciou da sigla. Ele concorreu ao Planalto, em 2006, pelo PDT, mas deixou a agremiação para filiar-se ao PPS. De lá para cá, apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e fez campanha por Geraldo Alckmin (PSDB).

Seria um ensaio de retorno às origens?

SOBRE O AUTOR
Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias