*
 
 

Alta-costura não é um termo que deve ser usado de forma banal. Quando nos referimos a esse tipo de confecção, automaticamente falamos de exclusividade e dedicação. Também estão envolvidos nesse processo, excessos, extravagância e, ao mesmo tempo, muita classe e elegância.

O título carrega todo um status adquirido pelos parâmetros da La Chambre Syndicale de La Haute Couture — diretoria da alta-costura que, entre outras coisas, exige um ateliê com endereço em Paris.

 

A semana de moda onde se apresenta essas coleções é o ponto alto da indústria fashion e, em 2018, contou com um seleto grupo de 14 maisons luxuosas. Entre elas, Chanel, Giambattista Valli e Givenchy. Os desfiles aconteceram entre segunda (22/1) e quinta (25/1).

Durante o evento, vários acontecimentos movimentaram o cenário fashionista e merecem ficar registrados: Karl Lagerfeld marcou presença com novo visual após 20 anos; a blogueira brasileira Camila Coelho deu o que falar quando apareceu vestida de noiva no encerramento do desfile da Ralph & Russo; Kaia Gerber estreou nas passarelas de alta-costura; e novos estilistas foram apresentados como diretores criativos de renomadas marcas, como a Givenchy.

Vem comigo e descubra as novidades desta temporada!


Exposição de Azzedine Alaïa movimentou a cena parisiense
A mostra “Je suis couturier” causou comoção em quem visitou o ateliê e a residência do artista no bairro do Marais em Paris. Longe de ser apenas uma homenagem ao designer, que morreu em novembro do ano passado, o tributo exibe um trabalho poderoso, com corte magistral e cheio de identidade.


Para a exibição, o curador Olivier Saillard selecionou 35 trabalhos — a grande maioria deles em tons neutros e alguns jamais vistos pelo público. Naomi Campbell, amiga íntima de Alaïa, chegou a fazer uma visita guiada para diversas publicações de moda que estiveram no local. A silhueta tão consagrada pelo artista desde o início da carreira, em 1979, serviu de gancho para a apresentação coordenada por Carla Sozzani (irmã de Franca Sozzani, ex-editora da Vogue Itália) e Christoph Von Weyhe, parceiro de Alaïa.

A exposição parece ter impactado todos que homenagearam o evento. A editora internacional da Vogue americana, Suzy Menkes, por exemplo, relembrou uma declaração marcante do estilista: “Eu gosto quando são lindas e atemporais, não tão cheias de detalhes, ornamentos e cores que envelhecem prematuramente. As peças mais simples são as mais difíceis de criar”.


Se você deseja conferir os trabalhos mais importantes do artista, a mostra ficará aberta ao público até o dia 10 de junho de 2018. Além dela, apresentação em grande escala está planejada para acontecer no Museu de Design de Londres em maio, com curadoria de Mark Wilson, que trabalhou em várias exposições da Alaïa e é curador-chefe do Museu Groninger na Holanda.

 

Ausência de Bouchra Jarrar
Após 16 meses como diretora artística das coleções femininas da Lanvin, a estilista informou em 2017 que partiria da casa mais antiga de Paris. Sem mencionar planos para o futuro. Jarrar foi nomeada para o cargo após a saída surpresa de Alber Elbaz, em outubro de 2015. Ela, inclusive, fechou a própria coleção homônima a fim de se dedicar completamente às suas tarefas na maison.

Divulgação

Quem entrou em seu lugar foi Olivier Lapidus, estilista que cuidou do menswear da Balmain e filho de Ted Lapidus, antigo figurinista dos Beatles. Apesar dos 59 anos, o designer gosta de explorar o frescor dos millennials. “Eles influenciam o mundo. Então, este é um momento muito interessante para tirar coisas muito antigas e torná-las novas”, declarou ele. Infelizmente, a coleção primavera verão 2018 foi bastante criticada.

Alber Elbaz, no entanto, parece insubstituível.

 

Clare Waight Keller debuta na Givenchy Couture
A semana de moda de alta-costura também foi uma boa oportunidade para a ex-designer da Chloé, Clare Waight Keller, mostrar a que veio na Givenchy. Em sua segunda coleção desenvolvida na marca, a expectativa era grande. Não só porque ela é a primeira mulher a dirigir a grife francesa, mas também para saber se ela seria capaz de causar entusiasmo maior do que o visto em sua primeira coleção.

Pascal Le Segretain/Getty Images)

Se na coleção de primavera 2018 ela trouxe conhecimento técnico sobre ombros e impressão gráfica, que segundo a designer são paixões do próprio fundador da casa, Hubert de Givenchy — nesta temporada ela apostou alto. Smokings habilidosamente adaptados, vestidos de renda e calças de cetim apareciam em preto e branco. Além disso, decotes reveladores, muito grafismo e alguns respingos aqui e ali de cores vibrantes fizeram o desfile ser memorável. Com o plus de Waight Keller introduzir roupas de alta-costura masculinas.

Pascal Le Segretain/Getty Images

O clima da passarela poderia ser facilmente descrito como uma reinvenção moderna. Apesar de seus predecessores já terem introduzido — cada um à sua maneira — ares contemporâneos para a casa, é visível como um olhar feminino pode trazer uma reinterpretação expressiva que vai além de meros detalhes.

Pascal Le Segretain/Getty Images


Mudança nada radical
Como a maioria dos aficcionados por moda já sabem, Karl Lagerfeld, diretor criativo das grifes de luxo Fendi e Chanel, não muda o visual há quase 20 anos. Estão sempre lá: o terno skinny da Dior, as luvas de couro, óculos escuros e, é claro, o longo cabelo branco amarrado em um rabo de cavalo.

No entanto, nesta temporada, Karl nos surpreendeu quando apareceu de barba no desfile da Dior sentado na primeira fileira ao lado de Bella Hadid, Robert Pattison e Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da grife.

Getty Images

Kaia Gerber, filha da top model Cindy Crawford, estreia na passarela da haute couture
Meses após a estreia de Kaia nas passarelas em 2017, foi a vez da jovem modelo de apenas 16 anos inaugurar a entrada no universo da alta-costura. Desfilou para a Chanel no tradicional local: o Grand Palais, em Paris. Semanas antes, a modelo anunciou que faria coleção cápsula com o diretor criativo da marca, Karl Lagerfeld.

No dia, Kaia desfilou um modelo de vestido rosa claro com penas nas mangas exageradamente volumosas, além de aplicações em bordado. A saia bem estruturada é, segundo Karl, a nova silhueta da alta-costura. A pegada foi uma mistura entre viúva e doce princesa. As costas sexy com fecho estilo sutiã. Varias tendências em um único look.

Pascal Le Segretain/Getty Images

Noiva brasileira da Ralph & Russo
A blogueira brasileira Camila Coelho está acostumada a assistir aos desfiles na primeira fila. Porém, nesta temporada, ela abriu mão do disputado lugar. A convite da Ralph & Russo, a mineira encerrou o desfile da marca com um belíssimo vestido de noiva.

Instagram/Reprodução

Indo contra a tendência do menos é mais, a digital influencer apareceu em um modelo bufante, numa vibe meio princesa. O vestido, todo confeccionado em seda e cetim duchese, com mais de 100 mil cristais incrustados, tinha aplicação de flores bordadas que davam um efeito tridimensional. Complementada por um véu rendado, a peça foi feita por quatro costureiras e levou mais de 200 horas para ser produzida.

O universo da moda sempre surpreende!



 


modaparischanelCamila CoelhoGivenchyhaute couture