Se o NYFW está em chamas, a Khaite conseguiu decolar das cinzas

Após emplacar a grande tendência do último outono, a marca é uma das poucas que conseguem tirar proveito da semana de moda norte-americana

Peter White/WireImage

atualizado 14/02/2020 17:06

O New York Fashion Week (NYFW) está em crise há algumas temporadas. A ausência de grifes como Ralph Lauren, Tommy Hilfiger, Jeremy Scott e Tom Ford na programação oficial desta edição prejudicou ainda mais a credibilidade do evento. No entanto, mesmo com o projeto em declínio, há quem consiga se beneficiar com sua visibilidade. Depois de conseguir emplacar um conjunto de cardigã com top como o grande hit do outono norte-americano, a Khaite vê na semana de moda a chance de elevar seus lucros em 30%.

Vem comigo saber mais!

Catherine Holstein, nome por trás da nova queridinha do mundo fashion norte-americano, chegou ao mercado em 2006, após terminar a faculdade de design de moda. Sua linha homônima foi recebida com ares promissores, estreando nas araras da Barneys New York. Com a recessão de 2008, a estilista abandonou a etiqueta para se dedicar a trabalhos para Vera Wang e J.Crew.

Oito anos mais tarde, com o apoio da Assembled Brands, companhia que financia startups, a designer resolveu deixar o varejo para investir na Khaite. “Tive a oportunidade de realmente controlar a mensagem que queria passar”, afirmou ao Business of Fashion.

@cateholstein/Instagram/Reprodução
Catherine Holstein, fundadora da Khaite

 

Em uma fase mais madura da carreira, Catherine voltou ao ramo empresarial disposta a não cometer os erros do passado, mas com a difícil missão de agradar aos investidores presentes em sua nova empreitada.

“Antes, eu era apenas uma jovem designer. Agora, preciso estar realmente disposta a pensar de maneira completa, em 360 graus, como a Prada ou a Gucci fazem”, revelou ao portal.

De fato, ela abraçou a nova postura. Em cinco anos, construiu um império que abrange roupas, calçados e acessórios, aproveitando o melhor das táticas modernas e tradicionais do segmento. Ao mesmo tempo em que estreita seu relacionamento com especialistas do setor e restringe seus pontos de venda a multimarcas premium, como Bergdorf Goodman e Harvey Nichols, a estilista aposta em um feed envolvente no Instagram.

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Atualmente, a Khaite produz bolsas…

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
… sapatos…

 

@cateholstein/Instagram/Reprodução
… vestidos de noiva…

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
… e produções para red carpets

 

Antes do lançamento da Khaite, a estilista já incluía imagens inspiradoras na conta da marca. As fotografias de Francesca Woodman e as cenas de 2001: Uma Odisseia no Espaço implementaram o conceito da etiqueta e acabaram tocando e-commerces como o Net-a-Porter e MatchesFashion, que abraçaram o novo negócio antes mesmo de as primeiras peças chegarem à rede social.

Para suas campanhas, a designer prioriza suas criações de mais personalidade, contextualizando-as em cenários que retratam a proposta cosmopolita e melancólica da grife. Um vídeo criado em agosto para anunciar as bolsas da marca, por exemplo, não foi feito com foco nas peças.

“O diretor perguntou se tínhamos a bolsa no enquadramento, mas eu queria capturar o sentimento. Não estava me importando se a bolsa aparecia no filme”, contou.

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Identidade visual da marca combina cenários urbanos e melancolia

 

Para a estilista, competir com as marcas europeias demanda uma abordagem perspicaz em relação à identidade visual. Atualmente, a marca filma um editorial por mês para alimentar a página do Instagram. Catherine, por sua vez, quer dobrar a produção em 2020.

Sem se apoiar na sexualização feminina em suas criações, a estilista se beneficiou da era #MeToo para difundir suas roupas com pegada girlie. No entanto, foi uma aparição pública da atriz Katie Holmes que levou a etiqueta a um novo patamar.

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
A empresa não se apoia na sexualização feminina

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Essa medida beneficiou a label após a era #MeToo

 

A internet ficou encantada com a imagem confiante que a celebridade exibiu ao surgir com um conjunto de cardigã e top feitos em cashmere. Logo após a foto viralizar na web, a Khaite repostou o registro em seus perfis, com links para compra.

Reprodução/Instagram/@khaite_ny
Katie Holmes viralizou na internet ao surgir com conjunto da Khaite

 

As peças esgotaram rapidamente no e-commerce, fazendo a label lançar um novo lote da produção, que também acabou em horas. Graças àquela ocasião, o número de visitantes na página do Instagram da grife aumentou 400% em relação ao ano anterior. Os acessos diários ultrapassaram 300 mil visitantes. “Isso realmente mudou o nosso negócio. Você não pode pagar por uma publicidade dessa”, disse Holstein ao BoF.

Divulgação/Khaite
Peças esgotaram rapidamente no e-commerce da label

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Impulsionadas pelo sucesso das peças de cashmere, nomes como Rihanna passaram a ostentar visuais da grife

 

Reprodução/Site Zara
A espanhola Zara chegou a copiar o conceito da produção

 

@cateholstein/Instagram/Reprodução
Lady Gaga também se mostrou apaixonada pelas criações de Catherine Holstein

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Kirsten Dunst usou Khaite em uma entrevista ao Colbert Late Show

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Modelo escolhido pela top model Lily Aldridge

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Zoë Kravitz também foi atingida pela febre

 

@cateholstein/Instagram/Reprodução
Emily Blunt no CFDA/Vogue Fashion Fund Awards

 

@cateholstein/Instagram/Reprodução
Rachel Weisz usa Khaite na capa da Hollywood Reporter

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Katie Holmes virou uma grande fã da grife

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Ela tem exibido vários looks da label norte-americana

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Agora, é a vez de Kaia Gerber

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Kerry Washington em recente aparição

 

A rapidez da empresa em responder aos anseios dos clientes é um dos grandes trunfos da Khaite. Presente no New York Fashion Week desde 2019, a marca disponibiliza os produtos desfilados logo após a apresentação.

“Se você está dizendo que os shows não funcionam, explique-me por que Chanel, Vuitton e Valentino estão fazendo seis desfiles por ano. Claramente eles funcionam”, defendeu a estilista.

As passarelas nova-iorquinas têm trazido bons retornos à Holstein. Sua estreia na semana de moda, em fevereiro passado, acabou sendo uma das apresentações mais procuradas no site da Vogue. Ela acha, inclusive, que Nova York é o lugar mais emocionante para mostrar seu trabalho. “Tenho orgulho de estar na programação”, celebra.

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Árvore dourada posicionada no meio do primeiro show da etiqueta chamou atenção

 

@khaite_ny/Instagram/Reprodução
Desfile da marca ficou entre os 10 mais vistos no site da Vogue

 

Peter White/WireImage
Segunda apresentação no NYFW, em setembro passado

 

Na temporada seguinte, a aparição de Katie Holmes, registrada dias antes do desfile de primavera/verão 2020, garantiu que a exibição tivesse um impacto tão grande quanto a anterior. Agora, com celebridades como Selena Gomez e Kerry Washington ostentando os looks da Khaite nas ruas, a etiqueta espera um aumento de 30% das vendas depois do show dessa terça-feira (11/02/2020).

“O NYFW está, pela primeira vez, superdemocrático. Definitivamente, houve uma mudança em quem liderou e quem liderará a partir de agora”, conclui a designer.

Albert Urso/Getty Images
Bella Hadid liderou última apresentação da Khaite, na terça-feira (11/02/2020)

 

Peter White/WireImage
Coleção de outono/inverno 2020 mostrou um lado mais agressivo da etiqueta

 

Albert Urso/Getty Images
Expectativa é que as vendas aumentem em 30% com a publicidade gerada pelo show

 

Colaborou Danillo Costa

Últimas notícias