Exibição em NY explora relação entre minimalismo e maximalismo na moda

A nova mostra do Museum at FIT abriu no fim de maio e vai até novembro, com looks de estilistas como Calvin Klein e Gianni Versace

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FITDivulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT

atualizado 10/06/2019 14:30

A terceira lei de Isaac Newton diz que, para cada ação, há uma reação em sentido oposto. Além da física, a teoria pode se aplicar à moda, como propõe a nova exposição do Museum at FIT: Minimalismo/Maximalismo. Ao longo do tempo, esses dois estilos extremos desafiaram a percepção e se manifestaram como uma expressão sociocultural e econômica de suas épocas.

Segundo a curadoria de Melissa Marra-Alvarez, esta é a primeira exposição dedicada ao tema na moda. O trabalho explora a relação entre essas duas vertentes, o que ambas significam e a forma como elas movimentaram a moda desde o século 18. Aberta no fim de maio, a mostra vai até o dia 16 de novembro, com criações de designers como Calvin Klein, Raf Simons, Phoebe Philo, Thierry Mugler e Gianni Versace.

Vem comigo!

A viagem ao longo dos séculos conta como os movimentos minimalista e maximalista se relacionam. Apesar de serem diferentes em termos de design, eles se assemelham na forma como se conectam aos contextos culturais e tecnológicos. Até hoje, continuam a se adaptar às novas eras.

O minimalismo pode ser entendido como a visão de que “menos é mais” e está ligado a ideias como ordem, harmonia e pureza. Contudo, isso não significa que designs nesse estilo não tenham ornamentos, mas que os utilizam de forma estratégica para alcançar uma melhor estrutura. “Modas minimalistas priorizam redução e função, usando linhas e silhuetas limpas para acentuar a relação entre corpo e vestuário”, como explica a curadoria.

Por outro lado, o maximalismo envolve excesso: “Ao longo da história, a moda maximalista tem sido associada à extravagância, ao artifício e ao estilo não funcional”. Apesar de ser um termo muito usado para se referir a silhuetas exageradas, ele pode abranger inúmeras referências visuais. Um exemplo? A moda rococó do século 18, com saias armadas, muitos babados, laços e bordados florais.

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
A nova exposição do Museum at FIT (Nova York), aberta em 28 de maio, explora a relação entre o minimalismo e o maximalismo na moda

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Ao longo da história da moda, os dois movimentos se relacionam

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
O minimalismo nem sempre dispensa ornamentos, mas faz com que eles contribuam para a mensagem das peças

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
É no espetáculo que o maximalismo acontece, marcado pela excentricidade 

 

DeAgostini/Getty Images
O exagero da moda rococó do século 18 é um exemplo de maximalismo

 

Os períodos de excesso e restrição aconteceram em diferentes momentos da história da moda. Enquanto Coco Chanel buscava uma estética clean no começo do século 20 para fugir da ornamentação excessiva da Belle Époque, a década de 1980 abusou dos visuais ostensivos.

Contudo, os estilos opostos mínimo e máximo também podem conversar em uma linha tênue, como a coleção primavera/verão 2011 de Raf Simons para a Jil Sander, repleta de color blocking – mistura peças básicas com cores vibrantes em um mesmo look – e silhuetas amplas.

 

Vittorio Zunino Celotto/Getty Images
Color blocking de Raf Simons para a Jil Sander na primavera/verão 2011. Apesar de as peças serem clean, as silhuetas são bem amplas e o laranja é chamativo

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Vestido Calvin Klein de 1996, exemplo de minimalismo noventista

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Look floral de Richard Quinn, estilista britânico conhecido pelas estampas

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Vestido by Gilbert Adrian, de 1945

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Vestido festivo de Thierry Mugler, 1979

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Vestido Hardy Amies, de 1948

 

Os ciclos da moda continuam a redefinir o minimalismo e o maximalismo, mas, agora, de forma mais acelerada. Isso acontece à medida que as tendências tomam conta de diferentes plataformas, como as mídias sociais.

“Hoje, a moda está em meio a um renascimento maximalista, após anos de um movimento decididamente minimalista defendido por Phoebe Philo, ex-Céline. Designers modernos, como Richard Quinn, estão experimentando padrões, volumes e proporções”, conclui a apresentação da mostra. No entanto, acrescenta que trendsetters preveem um revival “iminente” do minimalismo.

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
A exposição Minimalismo/Maximalismo vai até o dia 16 de novembro

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
A mostra remonta à influência dos dois estilos, desde o século 18 até a contemporaneidade

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
Segundo a apresentação do museu, o momento atual é de um retorno ao maximalismo

 

Divulgação/Eileen Costa/The Museum at FIT
A exposição reúne peças de diversos designers renomados, como Raf Simons e Thierry Mugler

 

The Museum at FIT
O Museu de Moda do Fashion Institute of Technology é parte de um grupo seleto de museus especializados no segmento fashion. Inaugurado em 1969, ele ocupa o edifício atual desde 1974, na Seventh Avenue at 27th St., onde começou a apresentar exposições no ano seguinte. Atualmente, reúne cerca de 50 mil peças de vestuário bem como acessórios do século 18 e contemporâneos.

Entre setembro de 2018 e janeiro deste ano, o FIT Museum exibiu uma mostra sobre as diferentes facetas da cor rosa na moda, como statement político e empoderado. O conteúdo está disponível on-line.

Colaborou Hebert Madeira

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Formada em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias