">
*
 
 

A semana de moda de Nova York chegou ao fim. Mas não é por isso que vamos deixar de mostrar a vocês alguns dos principais desfiles que aconteceram na reta final. Até porque, os últimos foram de pirar! Escolhi escrever sobre Brandon Maxwell, Marc Jacobs e Oscar de la Renta.

Pra começar, Maxwell usou e abusou daquela combinação que eu amo e que é também tão característica da marca Prada — um cardigã acompanhado por uma peça chique como uma calça de alfaiataria. Complementado por scarpins de diversas cores e até mesmo com brilhos. Eu amei os looks com a saia de estampa animal print no tom verde, assim como as de baile.

O estilista também usou muito um estilo que adoro: scarpin com calça jeans. Os looks eram, em sua maioria, adornados por cinto cintura alta e isso trazia muita elegância e sofisticação para a passarela. Eu simplesmente amei!

Marc Jacobs também me deixou babando. Com looks superautênticos e coloridos, ele apresenta de repente, na passarela, dois longos maravilhosos, chiquérrimos, em faux fur e em paetê. Algo que me lembrou a Daisy de “Great Gatsby”. Babei!

E por fim, tivemos Oscar de La Renta. Os novos estilistas simplesmente arrasaram na passarela. Era como se a coleção tivesse sido feita pelo próprio designer.

Na seleção de hoje, um mix entre o clássico repaginado de Oscar de La Renta, a explosão de cores de Brandon Maxwell e o saudosismo moderno de Marc Jacobs.

Vem comigo.


Brandon Maxwell
Cores vivas e uma celebração da silhueta feminina parecem ter sido as principais inspirações de Brandon Maxwell para sua coleção primavera 2018. Conhecido por trazer um visual mais contemporâneo e menos excêntrico para Lady Gaga em anos anteriores, o designer confessou ao WWD que o alto-astral esteve presente quando desenvolveu os looks que seriam desfilados em Nova York.

“Para ser muito literal, senti minha vida muito colorida nos últimos seis meses. Minha mente estava em um ótimo lugar e eu realmente gostei desse processo de criação. Foi uma experiência muito alegre para mim” explicou ao site.

JP Yim/Getty Images JP Yim/Getty Images JP Yim/Getty Images JP Yim/Getty Images JP Yim/Getty Images JP Yim/Getty Images

O estilista substituiu os tons neutros — clássico de suas coleções anteriores – e optou por uma paleta de cores vibrante, diversa e perfeita para transitar entre o dia e a noite. Rosa, amarelo, azul royal, verde, vermelho e magenta foram as nuances escolhidas. Amarrações, terninhos bem ajustados ao corpo e uma imensidão de estilos diferentes de vestidos também apareceram na passarela. O jeans dava a pegada descontraída às peças e a escolha do tecido teve um toque de nostalgia proposital baseada na infância do estilista, passada no Texas.

Corpetes com peplum, mangas trompete, pantalonas e tricô apareceram com uma vibe muito mais comercial. O estilista também achou espaço para o que sabe fazer melhor: produções sofisticadas. O destaque fica por conta dos vestidos até os joelhos, lembrando a tendência da coleção de Victoria Beckman, o plissado discreto, e os casacos com bordados. Bordado sendo também uma grande tendência da primavera.

 

Oscar de La Renta
Apesar de estarem comandando a Oscar de La Renta há pouco tempo, Laura Kim e Fernando Garcia parecem estar destinados a não se intrometerem muito no DNA atemporal da grife. Tudo isso porque a dupla trouxe para a passarela uma espécie de tributo ao estilista que faleceu em 2014.

Mas não se deixe enganar. A estética prioriza a beleza como de La Renta gostaria, mas há o toque cool e moderno em diversas peças que conseguem se distanciar do estilo requintado dos anos 1960, quando o designer ganhou fama ao vestir a então primeira-dama dos Estados Unidos, Jaqueline Kennedy.

Slaven Vlasic/Getty Images) Slaven Vlasic/Getty Images) Slaven Vlasic/Getty Images) Slaven Vlasic/Getty Images) Slaven Vlasic/Getty Images Slaven Vlasic/Getty Images

Blazers, vestidos estampados e bordados, calças largadas e jaquetas oversized foram alguns dos highlights da passarela. Olha aí os bordados e o oversized novamente! Apesar do bordado sempre ter sido um ponto forte da marca Oscar de la Renta.

No entanto, em cada um deles estava impresso um pouco da personalidade do fundador da casa – seja através de sua assinatura como estampa ou do uso meticuloso do tule em algumas peças.

O destaque fica por conta das nuances mais quentes de rosa que aparecem nos vestidos e blusas com paetês, bem como as estampas que imitam espirros de tinta dando um ar de pop art para a coleção. Os vestidos com espirros de tinta me lembraram muito um que tenho da coleção artsy de Yves Saint Laurent.

 

Marc Jacobs
Sair do senso comum é uma das tarefas mais fáceis para Marc Jacobs. A prova disso veio com sua coleção de primavera que, mesmo parecendo um resgate saudosista de tudo que ele já produziu, consegue se sobressair como algo inovador.

Para a imprensa gringa ele já assumiu que a concepção da coleção não tem nenhuma imersão profunda, intelectual ou conceitual. “Estamos chamando tudo de ‘Somewhere’ (do filme ‘Um Lugar Qualquer’, lançado em 2010), de Sofia Coppola”, disse. “Mas também, a última temporada foi sobre esta paisagem urbana, e não sobre nenhuma paisagem particular. Está em algum lugar, só não tenho certeza onde”.

Slaven Vlasic/Getty Images Slaven Vlasic/Getty Images Slaven Vlasic/Getty Images Slaven Vlasic/Getty Images Slaven Vlasic/Getty Images

A passarela era praticamente um palco amplo onde modelos caminhavam sem nenhuma música – o que se escutava eram apenas o burburinho dos fashionistas e os cliques dos fotógrafos. Por lá, as peças apareciam recheadas de cores, brilho, volume e muitas estampas. O ponto alto fica por conta de alguns itens chave que parecem mostrar um resgate ao passado.

Ao invés das orelhinhas de coelho da coleção de inverno de 2009, o estilista trouxe mulheres em diferentes turbantes, comprovando que o acessório pode voltar. A vibe grunge — que ele ama desde os tempos áureos de Perry Ellis – estavam, de certa forma, nos cardigãs e casacos gigantes que apareciam na passarela. Eu sempre adorei o lado grunge de Marc Jacobs que, aliás, é atual tendência da estação.

Parkas, sobreposições e um mix de sportswear contraposto com peças cintilantes eram outros itens que fugiam de qualquer roteiro convencional, mas traduziam a essência avant-garde de Jacobs. O destaque do desfile ficou por conta dos maxiternos, os prints com pegada étnica e os truques de styling com joias, luvas e boás de plumas.

Até o próximo desfile. London Fashion Week.



modaNYFWmarc jacobsoscar de la rentaBrandon Maxwell
 


COMENTE

Ler mais do blog