Britânicos gastarão R$ 13 bilhões em “roupas descartáveis” neste verão

Compartilhe

Uma pesquisa revelou que os britânicos gastarão 2,7 bilhões de libras em roupas que serão usadas uma única vez neste verão. O motivo? Casamentos, churrascos, festivais e feriados — ocasiões nas quais as pessoas costumam investir em peças de fast fashion para uso único. Em reais, o valor ultrapassa o montante de R$ 12,6 bilhões.

O levantamento, divulgado no dia 11 de julho, foi feito com 2 mil pessoas pela empresa Censuswide para a instituição de caridade britânica Barnardo’s. A previsão de consumo estimada pelo estudo é de 50 milhões de outfits, como informou o The Guardian.

Vem comigo!

A análise diz que os britânicos costumam gastar cerca de 80 libras em vestimentas de casamento. Destas, 10 milhões devem ser usadas somente uma vez nesta temporada (verão europeu). No fim das contas, isso significa aproximadamente 800 milhões de libras em peças “descartáveis”. Já para os feriados, com estimativa de 11 milhões de looks, o desperdício ultrapassa 700 milhões de libras.

Com essa prática, o meio ambiente é prejudicado de duas formas: pelos gasto de recursos para fabricação e pelas roupas que se tornam resíduos têxteis quando vão parar nos aterros sanitários.

Os casamentos estão entre as ocasiões especiais para as quais os britânicos compram roupas que só usarão uma vez, diz a pesquisa

 

O desperdício com roupas para os feriados está estimado em 700 milhões de libras

 

Churrascos também estão entre as ocasiões apontadas pelo levantamento do Censuswide para a instituição de caridade Barnardo’s

 

Foto do festival de Glastonbury, no fim de junho

 

No fim das contas, o bolso dos consumidores também sai perdendo. O chefe-executivo da Barnardo’s, Javed Khan, defende que o mercado de segunda mão é uma boa alternativa. “Também é mais gentil com o meio ambiente e com a sua carteira adquirir roupas que, de outra forma, poderiam ser usadas somente uma vez e acabariam em aterros sanitários”, frisa. Com opções de objetos que foram usados anteriormente, fica mais fácil garantir que ninguém estará com a mesma roupa que você, segundo ele.

De acordo com os dados, 26% das pessoas entrevistadas encontraram outras com roupas iguais em ocasiões especiais. O levantamento diz ainda que 25% se sentiriam constrangidos se isso acontecesse. Entre as pessoas de 16 a 24 anos, o número sobe para 37%. A situação também incomodaria 12% da parcela com mais de 55 anos.

As porcentagens revelam ainda que 55% das pessoas gostariam de usar mais as roupas que compram, para reduzir o impacto no meio ambiente. Destes, 40% já usaram um item de segunda mão em um casamento.

Para 46% das pessoas, há um bom custo-benefício no mercado de resale. No entanto, 45%, acham que optar pelas peças “pre-loved” é ainda mais barato do que comprar roupas novas. Infelizmente, 51% ainda acham que adquirir itens novos aumenta a emoção para os feriados e festivais.

A Barnardo’s incentiva que os compradores procurem roupas de segunda mão para aproveitar a temporada

 

Um quarto dos entrevistados revelou que ficaria incomodado de vestir a mesma roupa em mais de uma ocasião especial

 

O número de pessoas entre 16 e 24 anos que se incomodaria com isso chega a 37%

 

A pesquisa aponta ainda que 51% das pessoas acham que roupas novas aumentam a emoção para os festivais

 

Em tempos de conscientização em torno da moda sustentável, a pesquisa mostra que algumas pessoas parecem estar em uma realidade paralela. A varejista on-line Missguided, conhecida pelos preços baixos, foi criticada na internet por vender biquínis por 1 libra. Enquanto isso, o volume acelerado do fast fashion continua a impulsionar o hábito de consumo dos compradores.

No fim de junho, artistas que se apresentaram no festival Glastonbury, como Kylie Minogue e Billie Eilish, doaram roupas para a organização Oxfam, em prol de combater a moda descartável. Já a Barnardo’s, fez um livreto com dicas de peças de verão “pré-amadas” que podem ser encontradas em suas lojas.

Barnardo’s

A Barnardo’s é uma instituição de caridade britânica com mais de 100 anos de experiência, que presta apoio a crianças e jovens vulneráveis. A entidade ajuda garotos e garotas a acharem cuidadores e famílias adotivas, oferece suporte para aqueles que sofreram abuso e presta apoio emocional a jovens que estão entrando na vida adulta.

A organização também comanda lojas de segunda mão que oferecem vestuário, calçados, artigos de casa, brinquedos e outros itens. Para isso, aceita doações, trabalho voluntário e também vende on-line.

Colaborou Hebert Madeira

Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias

Saúde tem 1 mil vagas abertas em concursos de todo o país. Veja lista

Há oportunidades para os níveis médio/técnico e superior, além de programas de residência médica. Remunerações vão até R$ 11 mil

1 minuto passados

Donos de cachorro têm menos chances de ter doenças cardíacas

Pesquisadores descobriram que proprietários de pets realizam mais atividades físicas, se alimentam melhor e pesam menos

2 minutos passados

Amazônia: “Não é hora de desvarios em juízos e falas”, diz CNBB

Entidade máxima da Igreja Católica no país pede "medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta"

4 minutos passados

Bolsonaro: Maia dará R$ 2 bi dos partidos para combater incêndios?

Presidente ironizou deputado, que disse pretender dialogar com parlamentos europeus sobre a Amazônia

5 minutos passados

Juju Salimeni diz “não” para A Fazenda e vai para outro reality show

A musa fitness estava cotada para participar da temporada deste ano do programa rural

6 minutos passados

Jornal revela motivo de ida de David Luiz ao Arsenal

Zagueiro não estaria disposto a ser comandado por Frank Lampard, ex-companheiro nos tempos de Chelsea

8 minutos passados