Após pedido de falência, Cavalli deve ser vendida a empresário árabe

Tribunal italiano de falências ainda baterá o martelo sobre a decisão, mas negociação é dada como certa

Reprodução/Instagram/@hussainsajwaniReprodução/Instagram/@hussainsajwani

atualizado 18/07/2019 18:27

Antes mesmo de o estilista Paul Surridge deixar a direção criativa da Roberto Cavalli, em março deste ano, a grife italiana já se encontrava em crise, como o designer enfatizou ao anunciar sua saída. O inglês creditou seu pedido de demissão aos recursos escassos e à falta de investimento no desenvolvimento da rede de lojas e em estratégias de marketing.

Desde então, a etiqueta corre contra o tempo para encontrar um investidor que coloque a empresa de volta nos trilhos. Tudo indica que o futuro da companhia está a salvo. Na terça-feira (16/07/2019), a companhia revelou que pode ter um novo proprietário em breve.

Vem saber quem salvará a Cavalli!

A Vision Investment Co., entidade controlada pela desenvolvedora imobiliária árabe Damac, deve assumir o controle da Roberto Cavalli até o final de 2019.

A companhia do magnata Hussain Sajwani aguarda a aprovação de um tribunal de falências em Milão para iniciar a recuperação da marca, que entrou com pedido de falência em abril e foi forçada a liquidar seus negócios nos Estados Unidos no mesmo mês.

Anteriormente, a grife era administrada pelo Clessidra, fundo de capital privado que comprou a maior parte das ações da etiqueta em 2015, quando a Cavalli era avaliada em 390 milhões de euros. De lá para cá, no entanto, a label registrou perdas anuais. O plano de recuperação foi frustrado pela falta de capital.

 Siddharth Siva/REDUX For Forbes
Hussain Sajwani será o novo dono da Cavalli, caso a Justiça italiana libere a compra

 

A notícia da aquisição era esperada com apreensão pelos membros do conselho da Cavalli, pois três conglomerados disputavam os direitos sobre a etiqueta. Além da Vision, a holding italiana OTB e o grupo norte-americano Bluestar Alliance foram submetidos ao tribunal de falências italiano, que tinha soberania a respeito da decisão, mas levou em conta a opinião do executivos da grife.

A Roberto Cavalli deve apresentar seus acordos com os credores ao tribunal até 3 de agosto, para que o juiz encarregado tome sua decisão final. Terminadas essas etapas, as ações serão transferidas para a Sajwani.

O conselho acredita que o magnata árabe é a melhor opção para a companhia do segmento fashion, por causa de parcerias já existentes entre a Cavalli e a Damac. Em 2017, a grife projetou um condomínio de luxo e um hotel, em Dubai, para a companhia árabe. Os projetos, em fase de construção, devem ser entregues em 2020 e 2023, respectivamente.

Divulgação/Damac
Visual de condomínio de luxo foi projetado pela etiqueta

 

Divulgação/Damac
As residências têm as tradicionais animal prints da grife

 

Divulgação/Damac
Interior de um dos quartos do empreendimento

 

Divulgação/Damac
Hotel assinado pela Roberto Cavalli

 

O desenvolvedor é um velho conhecido das casas europeias, tendo feito parcerias com Versace e Fendi para outros empreendimentos no Oriente Médio. “Com certeza, a Damac não é uma operadora de marcas de moda, mas já conhece bem a Cavalli por fazer parte de seus negócios imobiliários”, disse o analista de luxo Mario Ortelli ao Business of Fashion.

Para Gian Giacomo Ferraris, que deve permanecer à frente da etiqueta, a parceria com Sajwani indica um continuidade no plano de recuperação da marca, que vem enfrentando dificuldades desde a aposentadoria de seu fundador.

O CEO é especialista em recuperação e foi o responsável por reerguer a Versace em 2014, ao conseguir que o Blackstone Group comprasse uma participação minoritária na grife. A holding americana investiu, aproximadamente, US$ 287 milhões, ampliando seu valor de mercado de US$ 1,4 bilhão para US$ 2,1 bilhões, preço pago pela Capri Holdings quando Michael Kors adquiriu a gigante da medusa.

Versace via Bloomberg
Gian Giacomo Ferraris ao lado de Donatella Versace

 

Se ele poderá ou não fazer o mesmo na Cavalli, só o tempo dirá. Com um apelo popular muito menor que o da Versace, a empresa demandará entre 50 milhões e 100 milhões de euros para se recuperar e voltar aos EUA, fora os 160 milhões de euros que Sajwani irá desembolsar pelo controle total da grife, incluindo a quitação das dívidas e uma injeção de capital de 65 milhões de euros.

Arnaldo Magnani/Liaison
Roberto Cavalli deixou sua marca homônima no início dos anos 2000

 

Venturelli/WireImage
Peter Dundas assumiu a grife entre 2002 e 2005 e, depois, retornou em 2015. Entretanto, ficou apenas três temporadas à frente da direção criativa

 

Venturelli/WireImage
Logo em seguida, Paul Surridge passou a ocupar o cargo e deu um novo mood à etiqueta. Porém, o profissional não aguentou a falta de investimentos

 

Yanshan Zhang/Getty Images
Criações ficaram mais elegantes sob a direção de Surridge, mas, ainda assim, a Cavalli é conhecida por peças para lá de sensuais. Chega a ser difícil imaginar a grife nas mãos de um muçulmano

 

A chave para o sucesso da nova missão de Ferraris é encontrar o diretor criativo certo para guiar a evolução da grife. Ainda assim, uma reviravolta levará tempo. As empresas globais de moda precisam de coleções impactantes, relevância midiática e um forte investimento em acessórios, elementos que a Cavalli ignora há tempos.

Colaborou Danillo Costa

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias