*
 
 

O tema da 44º São Paulo Fashion Week foi “Amo Moda, Amo Brasil”. O propósito por trás de todo o evento é mostrar que, mesmo em momentos de crise, o país ainda tem criatividade e que precisamos ter orgulho de sermos brasileiros.

Ao todo, são 35 desfiles que ocorrerão dos dias 27 a 31 agosto. Nesta segunda-feira (28/8), participei de 5 deles e posso dizer que cada um retrata muito bem a multiculturalidade da mulher brasileira.

Osklen

O primeiro desfile que estive presente foi o da Osklen, no qual pude observar tudo da primeira fila. Oskar Metsavaht e sua equipe tiveram uma grande sacada ao prestar homenagem a Tarsila do Amaral. Conhecida na história da arte brasileira por ser uma artista à frente do seu tempo, Tarsila demonstrou muito interesse pelas artes plásticas ainda na década de 1920, quando formou o “Grupo dos Cinco”, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Picchia.

Tarsila foi responsável pelo movimento artístico que definiu o modernismo brasileiro e resultou no manifesto antropofágico — manifestação artística brasileira da década de 1920 criada pelo poeta paulista Oswald de Andrade. Através de cores fortes e vibrantes, ela retratou a diversidade cultural do Brasil.

Na passarela, Oskar usou formas geométricas para combinar a arte de Tarsila com o DNA da marca famosa por usar algodão, linho, seda e os e-fabrics — algodão reciclado e outras matérias-primas. As peças, em cores cru, areia, verde, vermelho, branco e preto, fizeram parte das nuances usadas nas estampas da artista. Inspirada em seu autorretrato, “Moutan Rouge”, o estilista teve uma seção inteiramente monocromática vermelha. O ponto alto fica por conta da estampa de um seus quadros mais famosos “O Abaporu”.

Giovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/Metrópoles

ViX

Em seguida, participei do desfile da ViX by Paula Hermanny. Com uma coleção inspirada nos trópicos, a cartela de cores intensa e inesperada trouxe tecidos diferenciados em modelos que variavam entre fendas, transparências e muita sensualidade com ombros à mostra.

Substituindo as batas de praia, a ViX investiu nas camisas boyfriend — tanto em linho quanto em algodão. Bíquinis no estilo hot pants, assim como maxi-chapéus de palha trouxeram charme e leveza para a coleção que também contou com maxi-clutches — mostrando que o verão vem em alto e bom tom.

Giovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/Metrópoles

Fabiana Milazzo

O desfile da mineira Fabiana Milazzo trouxe um ar de sofisticação e arte. Tons verde-ácido, azul claro e bordados florais e em formas de rostos expressavam o lado elegante, romântico e, ao mesmo tempo, moderno da designer.

Conhecida no mercado da moda há 17 anos, Fabiana coleciona elogios por suas criações recheadas de originalidade.

Giovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/MetropolesGiovanna Bembom/Metropoles

Lilly Sarti

A grande estilista Lilly Sarti nos presentou com um desfile maravilhoso. Em tons terrosos — que muito lembravam as cores dominantes do último desfile de Martha Medeiros–, a coleção expressava leveza e força ao mesmo tempo, mostrando a característica de uma mulher ousada e livre. O laranja foi a cor dominante na passarela.

Refletindo sobre o atual mercado da moda, Lilly usou mão de obra local e matéria-prima nacional na construção de suas peças. Tecidos como gabardine, sarja, couro de cabra, seda e crepe formam o destaque da coleção adornada por tons azul claro e vermelho, além do laranja, que foram vistos também nos sapatos.

Giovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/Metrópoles

Triya

Sensualidade é a palavra que define o último desfile do dia. A Triya encerrou o segundo dia da São Paulo Fashion Week mostrando muito decote e peças cavadas.

Em parceria com a Schutz, a marca de beachwear valorizou a silhueta feminina ao mesmo tempo que trouxe cintura alta, saltos grossos e solados tratorados dando um ar esportivo para a coleção. A vibe tropical apareceu nas estampas com folhagens e flores. Tecidos como lycra, camurça, couro, vinil, jeans e fibras naturais aparecem nas peças e calçados da estação do verão. Tons de verde, rosa e amarelo se misturam aos neutros preto e branco.

Giovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/MetrópolesGiovanna Bembom/Metrópoles

Resumo

Como um todo, o desfile mais impactante foi o da Osklen. Me arrisco a dizer que a cor dominante da estação é o vermelho-alaranjado em conjunto com muita transparência, biquínis cintura-alta e maxi-acessórios. Em segundo lugar, o azul teve presença marcante, assim como o verde.