*
 
 

Um nome conhecido pelos brasilienses pode voltar a estampar os santinhos nas eleições de 2018. Homônimo do pai, que adotou o apelido de Gim, Jorge Afonso Argello Filho pretende disputar uma vaga na Câmara Legislativa. Filiado ao PTB, ele ainda não fechou com a sigla e negocia com outros dois partidos: PTC e PRB.

Pai e filho são tão próximos que foram denunciados juntos pelo Ministério Público Federal. O herdeiro do então senador foi acusado de ter auxiliado o genitor no esquema de corrupção que o levou à prisão.

Mas Jorge Afonso Argello Júnior foi absolvido por falta de provas. O pai, no entanto, cumpre pena há dois anos em Curitiba.

E o político pode sair da cadeia a qualquer momento. Gim teve sua condenação revisada e reduzida de 19 para 11 anos e 11 meses em regime fechado. Já cumpriu, portanto, um sexto da pena. Falta, porém, pagamento de multa aplicada pelo juiz Sérgio Moro, no valor de R$ 1,5 milhão.

Conhecido por movimentar muito dinheiro em campanha, agora lhe falta bala para sair da cadeia. Pelo visto, será uma disputa mais austera.



 


Lava Jatoeleições 2018gim argellodeputado distritalherdeiro