*
 
 

Depois de o requerimento que cria a CPI do Patrimônio Público ser lido em plenário e encaminhado para publicação no Diário Oficial da Câmara Legislativa, cinco distritais signatários do documento retiraram seus nomes: Bispo Renato (PR), Juarezão (PSB), Ricardo Vale (PT), Chico Vigilante (PT) e Robério Negreiros (PSDB).

Com as desistências, não há mais o número mínimo (oito distritais) para a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito na Casa. Dos nove deputados que assinaram o requerimento, sobraram Celina Leão (PPS), Wellington Luiz (PMDB), Raimundo Ribeiro (PPS) e Joe Valle (PDT). Em contrapartida, Cláudio Abrantes (sem partido) e Wasny de Roure (PT) decidiram pela criação da CPI. Mesmo assim, ainda faltariam dois nomes para que a investigação pudesse ser instalada.

A desistência dos cinco deputados ocorreu após uma reunião entre Rodrigo Rollemberg (PSB) e os integrantes de sua base, no início da tarde dessa terça-feira (20/3). O governador foi definitivo: quem assinasse a CPI estaria fora da base. O tapa de Rollemberg na mesa foi sentido até por quem se diz oposição, mas age em alinhamento com o Buriti e mantém cargos no organograma do governo.

Robério Negreiros, por exemplo, ficou tão preocupado de seu nome ser impresso como apoiador da CPI que, sem conseguir se comunicar com a presidência da Casa, foi até a gráfica da Câmara e ordenou que sua assinatura não constasse entre os signatários da investigação. A iniciativa barrou a publicação do requerimento no Diário Oficial, que já estava pronto para ser rodado.

“Não quero uma CPI para fazer palanque eleitoral. Penso que essa investigação só poderia ser aberta desde que houvesse indícios mínimos. O Tribunal de Contas, o Ministério Público e a própria Controladoria do DF podem fazer essas apurações. Em ano eleitoral, a Câmara não vai conseguir dar respostas”, disse Robério à coluna. Assim como os outros distritais, Negreiros também recebeu telefonema de emissários do Buriti alertando para as consequências que recairiam aos que assinassem a CPI.

Um dos propositores da comissão parlamentar de inquérito, Wellington Luiz criticou duramente os colegas vira-casacas: “Falta comprometimento dos deputados, visto ser um assunto que coloca a população em perigo. Vimos há pouco um viaduto desabar e há outras obras em risco na cidade. Alguns colegas infelizmente cederam à pressão do governo, que, se não tivesse nada a esconder, não faria esse movimento”.

Confira o pedido encaminhado por Robério Negreiros:

Veja o pedido que foi protocolado nessa segunda-feira (19/3):

CPI do Patrimônio Público by Metropoles on Scribd



 


CPIrollembergoposiçãoEixão SuldesabamentoviadutoGaleria dos Estadosbase