Estatísticas do Brasileirão: Santos domina rankings de cartões

Marinho, Sampaoli e Gustavo Henrique justificam o título de "time mais indisciplinado do campeonato" para o Peixe

Alexandre Schneider/Getty ImagesAlexandre Schneider/Getty Images

atualizado 02/01/2020 13:04

Nesse Brasileirão, conforme as súmulas das 380 partidas disponíveis no site da CBF, foram mostrados 1803 cartões amarelos, contando as 49 vezes que um jogador tomou dois amarelos na mesma partida.

Na média, foram quase 5 amarelos por jogo. Alguns jogadores foram para o chuveiro mais cedo. Ao todo foram 112 expulsões (63 por vermelho direto e 49 por dois amarelos).

Com tanto cartão assim teve jogador que fez até coleção. Por isso resolvi fazer um Top 3 com os mais amarelados, os mais expulsos, os mais faltosos e os mais reclamões. Confira:

Categoria: o mais amarelado

Para surpresa de muitos, Felipe Melo não está no Top 3. Gabigol está, mas não levou o título nesse caso. Uma dica: o campeão já sabia. Ops, sabia não. Adivinhou? É ele mesmo: Marinho!

Confira o Top 3:
1º Marinho (Santos) – 14 cartões
2º Allan (Fluminense) e Gabigol (Flamengo) – 13 cartões
3º Soteldo (Santos), Luís Antônio (Fortaleza) e Wellington (Athletico-PR) – 12 cartões

*Para esta lista também foram considerados os dois cartões amarelos na mesma partida

Curiosidade

Essa foi a primeira vez no Brasileiro que os árbitros puderam mostrar cartão para comissão técnica. Só o Sampaoli levou 11 amarelos. Mais que muitos jogadores. Que exemplo hein, professor? Por pouco ele não ficou no Top 3, mas contribuiu para que o Santos fosse a equipe mais indisciplinada da competição.

Categoria: para o chuveiro mais cedo

Esta lista vai te surpreender. O topo pertence a alguém que nem entrou em campo. Você tem um palpite? Difícil né? Foi o auxiliar técnico do Fortaleza, Charles Alexandre. Ele conseguiu ser expulso 4 vezes. Depois falam que os jogadores é que são exaltados.

Confira o Top 3:
1º Charles Alexandre (auxiliar técnico Fortaleza) – 4 vermelhos (2 por segundo amarelo e 2 diretos)
2º Gustavo Henrique (Santos), Igor Vinicius (São Paulo), Gum (Chapecoense) e Wesley Frazan ( Fluminense) – 2 vermelhos direto
3º Rodrigo Silva (Fluminense), Leonardo Morais ( Avaí), Gilson Gomes (Botafogo) e Edilson (Cruzeiro) – 1 vermelho direto e 1 por segundo
amarelo

*Como critério de desempate, as expulsões por segundo amarelo tiveram um peso menor do que a expulsão direta

Categoria: o reclamão

Uma dica: na nossa lista, dois dos maiores reclamões são treinadores. Segunda dica: ele ganhou vários cartões para fechar a “boquita”. Isso aí! O prêmio de “chatonildo” do Brasileirão vai para o treinador do Santos na temporada, Jorge Sampaoli.

Confira o Top 3:
1º Jorge Sampaoli ( treinador do Santos) – 9 amarelos por reclamação.
2º Rogério Ceni (treinador do Fortaleza) e Soteldo (Santos) – 6 amarelos por reclamação
3º Fred (Cruzeiro) e Rafael Sobis (Internacional) – 5 amarelos por reclamação

Categoria: esse fez falta!

Se tem alguém que para a jogada, é ele! O primeiro lugar venceu disparado: Gregore, do Bahia. Ganhou o título com uma vantagem maior que a do Flamengo. Fez praticamente o dobro de faltas do que o segundo lugar.

Confira o Top 3:
1º Gregore (Bahia) – 123 faltas
2º Everaldo (Chapecoense) – 69 faltas
3º Richard Franco (Avaí) – 66 faltas
Fonte: Footstats

Categoria: o mais caçado

Eles são o alvo de quase todas as zagas do Brasileirão. Muitas vezes tomam cartão amarelo por reclamarem de tantas faltas que sofrem. Esse é o caso do Marinho que ficou em primeiro lugar na lista de amarelados e faz parte do top 3 dos jogadores que mais sofreram faltas.

Veja a lista dos mais perseguidos em campo:
1º Léo Sena (Goiás) – 138 faltas sofridas
2º Dudu (Palmeiras) – 134 faltas sofridas
3º Marinho (Santos) – 82 faltas sofridas

Na próxima coluna, vamos descobrir as estatísticas sobre os árbitros: o mais caseiro; o mais rigoroso; o que mais deixou a bola rolar, etc. Não perca! E se sentiu falta de alguma estatística, deixe nos comentários ou mande no e-mail.

SOBRE O AUTOR
Fernanda Colombo

Natural de Criciúma (SC), mora no Rio de Janeiro (RJ). Formada em educação física com especialização em jornalismo esportivo. Ex-bandeirinha da CBF aspirante à FIFA. Escritora, apresentadora e comentarista de arbitragem.

Últimas notícias