">
*
 
 

No final de outubro de 2014, Dilma Rousseff, que acabara de ser reeleita, revisa programas de desenvolvimento, o cantor Lobão diz que não sairá do Brasil (havia prometido fazê-lo, se Dilma ganhasse) e a indústria automotiva ainda divulgava bons números de vendas.

Desde então, Dilma foi derrubada, Lobão continuou falando bobagens e as vendas de carros, tanto novos quanto usados, despencavam mês a mês.

O comércio de modelos zero-quilômetro em todo o país, aliás, tornou-se um caso à parte:  em outubro de 2014, foram vendidas 306.859 unidades; no ano passado, apenas 159.037.

E quanto aos carros usados? No Distrito Federal, naquele mês de 2014, os lojistas venderam 18.475 veículos. No mesmo mês do ano posterior (2015), as vendas já caíam 15%.

Nesse caso específico local, a recuperação tem contínua, conforme levantamento feito pelo Entre-eixos com dados da Feneauto, a federação que reúne os vendedores autônomos do Brasil.

No mês passado, a quantidade de veículos usados comercializada no DF já supera a de quatro anos atrás (veja quadro abaixo).


Carros usados e seminovos (Distrito Federal)

Outubro/2014 – 18.475

Outubro/2015 – 15.655

Outubro/2016 – 17.074

Outubro/2017 – 20.695


Brasil – Carros novos

Out/2012 – 341.644

(No ano: 3.802.071)

Out/2013- 330.203

(No ano: 3.767.370

Out/2014 – 306.859

(No ano: 3.498.012)

Out/2015 – 192.147

DFcarros usadosFenautoseminovoslevantamentorecuperação da indústria automibolística
 


COMENTE

Ler mais do blog