Viúva de neto da princesa Isabel, Thereza de Orleans e Bragança morre no RJ

A personalidade da alta sociedade carioca era um ícone de estilo e embalou o samba Café Soçaite. Ela casou-se com o príncipe em 1980

Thereza de Orleans e BragançaReprodução

atualizado 30/06/2020 9:44

Mais uma personalidade despediu-se da alta sociedade carioca em 2020. Nesse sábado (27/06), Thereza de Orleans e Bragança morreu aos 93 anos no Rio de Janeiro. Ela foi casada com o neto da princesa Isabel, o príncipe Dom João de Orleans e Bragança, de quem ficou viúva em 2005.

Sobrinha de Thereza, Claudia de Souza Campos levou à tia ao hospital na noite de sexta-feira (26/06) e, horas depois, comunicou as causas do falecimento. Por meio de sua página no Facebook, a familiar disse que a personalidade morreu do “coração e da idade”.

Antes de casar-se com Dom João, Thereza teve como primeiro marido Carlos Eduardo de Souza Campos. Do relacionamento, nasceu seu único filho, Diduzinho de Souza Campos. Ele morreu no ano passado e, segundo amigos e familiares, a mãe não superou o falecimento.

Thereza de Orleans e Bragança
Thereza de Orleans e Bragança tinha 93 anos

“Que ela descanse em paz junto do grande amor dela, seu filho Diduzinho”, escreveu a colunista Kiki Garavaglia na publicação de Claudia. Amiga da família, Cristina Magalhães lamentou a morte e lembrou do amor entre mãe e filho: “Sinto muitíssimo, Claudia! Ela finalmente descansou. Perder Dom João foi um baque e, depois de Diduzinho, ela nunca se recuperou. Estou muito triste”.

Enteado de Thereza, o empresário e fotógrafo Dom Joãozinho disse que a madrasta estava com a saúde debilitada há um tempo e lamentou a partida: “Além de elegante, era uma pessoa muito afetuosa. Ela e meu pai foram muito felizes juntos”. Dom João de Orleans e Bragança e Thereza se casaram em 1980.

De acordo com o jornal O Globo, o príncipe era o único descendente da família real que ainda morava no Brasil. Nascido na França, ele veio para o país com 19 anos. Antes de Dom João, Thereza foi casada com Carlos Eduardo de Souza Campos, conhecido com Didu. Juntos, eles formavam o apaixonado Casal 20 do Café Society.

Thereza de Orleans e Bragança
Ícone de estilo, a personalidade estampou a capa da revista Manchete

A personalidade era tão famosa que chegou a embalar o samba do músico Miguel Gustavo. “Therezas e Dolores falam bem de mim, já fui até citado na coluna de Ibrahim”, dizia a canção Café Soçaite gravada na voz de Jorge Veiga nos anos 1950 e regravada por Maria Bethânia em 1970.

Ícone

Nos anos dourados do Rio de Janeiro, Thereza era uma das detentoras do estandarte de elegância e glamour. Por onde passava, chamava atenção pela finesse e por ser uma mulher autêntica, forte e gentil. Uma de suas melhores amigas era a socialite Lourdes Catão, que morreu em maio.

Na postagem de Claudia no Facebook, comentários lembravam da amizade entre Thereza e Lourdes: “Dois ícones de uma época e duas grandes amigas. Fim de uma era de glamour”, escreveu Cristina Magalhães. “Querida, ela foi se encontrar com a grande amiga Lourdes”, disse Bebel Klabin. Nos eventos sociais, Thereza competia no quesito estilo com a socialite Carmen Mayrink Veiga.

A colunista Anna Ramalho definiu Thereza como “a princesa que foi rainha” da sociedade carioca. Já a jornalista Kiki Garavaglia frisou que a personalidade inspirou inúmeras mulheres: “Sua tia deu glamour e beleza a várias gerações! Foi a ‘magnífica’ entre as elegantes. Quem a conhecia, engraçadíssima.”

Thereza de Orleans e Bragança, Lourdes Catão e Carmen Mayrink Veiga
Thereza de Orleans e Bragança, Lourdes Catão e Carmen Mayrink Veiga

 

A coluna se solidariza com os familiares e amigos de Thereza de Orleans e Bragança! 

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Últimas notícias