Entradas em parques nacionais ficam mais caras no DF e outros estados

Novos valores passam a vigorar a partir de novembro. Ao todo, mais de 15 unidades entraram na lista

Mapio/ReproduçãoMapio/Reprodução

atualizado 01/10/2019 19:11

O Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) atualizaram os preços dos ingressos de unidades de conservação federais. Serviços como filmagens para comerciais e pesca também tiveram valores reajustados, que começam a valer a partir de novembro.

Os novos preços foram divulgados nesta terça-feira (01/09/2019) em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU). No Parque Nacional de Brasília (foto em destaque), o preço cobrado para o ingresso do público em geral passa a ser de R$ 28. Brasileiros têm desconto de 50% (R$ 14).

Ao todo, mais de 15 unidades tiveram os preços alterados. No Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, por exemplo, o valor chegará a R$ 36 (brasileiros têm desconto).

No Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, o valor cobrado chega a R$ 40. No Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, o preço será de R$ 93. No Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, o ingresso para o público em geral, válido por 10 dias, é de R$ 222.

A portaria determina: “As unidades que utilizam sistemas de agendamento poderão optar em fazer o agendamento sem a cobrança de ingressos”, destaca o texto assinado pelo coronel Homero de Giorge Cerqueira, presidente do ICMBio.

A regra destaca que a concessão do desconto “entorno” se aplica aos residentes das localidades consideradas e publicadas como entorno, por ato da chefia da unidade. Com isso, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, por exemplo, o preço baixa a R$ 4.

“As unidades de conservação deverão iniciar a cobrança dos novos valores instituídos por esta portaria a partir de 1º de novembro de 2019, devendo providenciar ampla divulgação desses valores para a sociedade”, frisa o texto.

Serviços
A portaria também atualiza preço de serviços. A autorização para filmagem e fotografias para fins comerciais nos parques passa a ter taxa de R$ 3.480. Nas florestas nacionais, a locação de casa da guarda para a ter preço de R$ 717 (diária).

No Rio de Janeiro, o uso das instalações do Parque Nacional da Tijuca, por exemplo, vai para R$ 3.268 — autorização para o uso do Corcovado. O da Capela Mayrink, de segunda a quinta-feira, passa a ter a cobrança de R$ 1.144.

SOBRE O AUTOR
Otávio Augusto

Formado em jornalismo pelo Centro Universitário ICESP. Trabalhou nos jornais Alô Brasília e Correio Braziliense, onde passou pelas editorias de Cidades, Política e Brasil. Foi setorista de Saúde por dois anos. Tem interesse pelos temas de direitos humanos e meio ambiente, além de política e economia. No seu tempo livre, aprecia esportes, como corridas ao ar livre. É repórter do Metrópoles desde fevereiro de 2019.

Últimas notícias