Sobre desconstruir um lar

Uma nova casa virá novamente, no tempo certo. E quando as caixas se abrirem, os objetos, assim como eu, terão energias diferentes

ReproduçãoReprodução

atualizado 21/04/2019 10:38

A gente sempre conversa por aqui sobre os prazeres de montar uma casa, escolher objetos e definir detalhes do projeto que vão acolher a vida no novo lar que se desenha. Mas o morar, vez ou outra, faz o caminho inverso… e se vira do avesso. A vida ganha novos planos, direções e cai a ficha que nem todas as partes das nossas escolhas são fáceis. Desfazer-se de uma casa que a gente ama é uma das sensações mais complexas que já vivi.

Arquivo pessoal

Uns quatro meses atrás, coloquei minha casa inteira em 92 caixas de papelão. Tirei 13 anos de dentro dos armários.

Abri uma garrafa de vinho, liguei minha caixa de som, respirei fundo e deixei as sensações fluírem. Fechar tudo no escuro das caixas, com fita durex, é mais difícil do que parece quando a mudança envolve fechamentos pessoais.

Entrei em todos os pedaços da casa. Nas bagunças secretas, nas caixas de memórias, nas prateleiras altas da cozinha que eu nem lembrava o que guardavam. Enrolei em jornal a coleção de passarinhos de madeiras que ficava na prateleira da sala… cada um com uma história diferente.

Arquivo pessoal

 

Guardei os livros que tanto amava em caixas e mais caixas. Encarei os álbuns de fotos. Os desenhos de quando o filho era pequeno, que estavam em pastas no maleiro do armário. Levei as plantas, algumas que me acompanham há mais de 10 anos, para a casa dos meus pais. Vi um pedaço imenso da vida se fechando no contêiner. Oficialmente, um capítulo do passado. Um peso que saiu das minhas costas e agora era sustentado pelos eixos do caminhão.

Arquivo pessoal

Subi de novo para o apartamento. Precisava sentir ele vazio. Senti a paz imensa de fechar um ciclo com leveza, sem fugir dessa imersão final na vida que já vivi. Foi linda a vida ali. E segue linda a vida agora.

As 92 caixas estão em um depósito por tempo indeterminado.

Um novo lar virá novamente, no tempo certo. E quando as caixas se abrirem, os objetos, assim como eu, terão energias completamente diferentes.

Arquivo pessoal

Tem coisas que precisam morrer para renascer. É assim com a gente, e é assim, às vezes, com o nosso lar.

SOBRE O AUTOR
Maria Fernanda Seixas

Jornalista e designer de interiores por formação, é apaixonada pelo processo de transformação de espaços em lares cheios de identidade e conforto.

Últimas notícias